Assine Já
domingo, 27 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
royalties

Royalties: municípios têm que correr atrás

Repasses mensais para Cabo Frio caíram R$ 113 milhões entre 2012 e 2016

13 janeiro 2017 - 00h57Por Rodrigo Branco I foto: Reprodução
Royalties: municípios têm que correr atrás

 A decisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Fe­deral, de mudar a forma de cálculo do preço do barril de petróleo e, consequentemente, dos repasses de royalties para os municípios produtores repre­sentou um alento em relação ao cenário dos últimos quatro anos, mas as perdas acumuladas du­rante o período não cairão nos cofres de mão beijada.

Segundo o deputado estadual Janio Mendes (PDT), que tem sido um dos interlocutores da Assembleia Legislativa junto à Agência Nacional do Petróleo (ANP), cada cidade terá que apurar individualmente quanto deixou de receber e buscar judi­cialmente a reposição dos valo­res. De acordo com levantamen­to feito pelo gabinete de Janio, baseado em informações do Por­tal da Transparência da União e da própria ANP, Cabo Frio teve uma queda acumulada de mais de R$ 113 milhões (62%) nos repasses mensais entre 2012 e 2016. No caso das chamadas participações especiais, o tombo foi ainda maior: de R$ 135 mi­lhões para R$ 1,6 milhão (98%), no mesmo período.

 – Se não houver ação enérgi­ca para estancar as perdas, nós vamos continuar perdendo. As manobras administrativas e ju­rídicas vão continuar acontecen­do. É temerário que a política nacional de petróleo seja condu­zida pelas petroleiras e não pelo Estado, quando o governo trans­fere isso para o Conselho Nacio­nal do Petróleo – disse Janio.

Conforme a Folha já havia an­tecipado na edição do último dia 23 de dezembro, o Estado do Rio e a cidade de Niterói, na Região Metropolitana, já recorreram à Justiça e garantiram a recupera­ção de R$ 200 milhões e R$ 60 milhões, respectivamente, refe­rentes às perdas nas participa­ções especiais de dezembro. Isso acontece porque as indústrias pe­troleiras descontam os custos de pré-produção e de produção dos impostos de uma só vez e o valor acumulado incide sobre o que é pago para o Estado e municípios, causando prejuízo. No total, a es­timativa é que a União deva ao Estado mais de R$ 6 bilhões.

Acordo entre Estado e União envolve venda da Cedae

Se o Estado do Rio é credor da União, a recíproca é verdadeira. O governo estadual deve quase R$ 400 milhões ao governo fe­deral, que foi avalista de emprés­timos feitos e não honrados pelo Estado junto a instituições finan­ceiras. Por essa razão, a União entrou com pedido de bloqueio nas contas fluminenses. No co­meço da semana, a ministra Car­men Lúcia, presidente do Supre­mo Tribunal Federal, suspendeu uma ação do Estado do Rio que impedia os bloqueios.

A decisão da magistrada pre­cipitou um acordo de recupera­ção fiscal entre Estado e União que envolve a renegociação da dívida junto ao governo federal tendo como contrapartida a ado­ção de medidas de austeridade como o aumento da contribui­ção previdenciária de 11% para 14%, cortes de despesas, au­mento de receitas e a venda da Companhia Estadual de Água e Saneamento (Cedae). As ações, contudo, terão que passar pela Assembleia Legislativa. A an­tecipação dos royalties também faz parte do acordo, mas tem pouco impacto sobre ele, pois grande parte dos repasses já foram dados como garantia em operações anteriores.