Assine Já
domingo, 20 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Rodrigo Simas

Rodrigo Simas: 'Sempre lutei contra o sistema, de dentro pra fora’

Candidato do PSOL à prefeitura de Arraial do Cabo fala sobre seus projetos

24 setembro 2016 - 01h28
Rodrigo Simas: 'Sempre lutei contra o sistema, de dentro pra fora’

Concorrendo à Prefeitura de Arraial do Cabo pela segunda vez – em 2012, teve 322 votos –, Rodrigo Simas enaltece sua tra­jetória dentro da administração pública, onde trabalhou como contador, como sua principal arma para desenvolver projetos em Arraial do Cabo. Além disso, aponta a Educação como o cami­nho para a mudança.

Folha dos Lagos – Por que você quer ser prefeito?

Rodrigo Simas – Para respon­der por que eu quero ser prefeito, teria que dizer quem sou eu pri­meiramente. Sou contador desde os 20 anos, onde ocupei alguns cargos na administração pública. Fui tesoureiro e contador da Câ­mara nos anos de 1999 e 2000 e responsável direto pela cassação do único vereador no município até hoje. Sempre lutei contra o sistema de dentro para fora, a fim de acabar com os desmandos da corrupção.

Sou uma pessoa humilde, lon­ge do status dos políticos profis­sionais, que após ver na política tantas injustiças, mentiras e po­líticos incapazes de gerir a nossa cidade, em sua grande maioria en­volvidos com o tráfico de drogas, corrupção e lavagem de dinheiro, me vi na obrigação de participar do pleito eleitoral, pois, além de ter coragem, tenho conhecimento e experiência, sou uma pessoa de bem. Sempre estudei em escola pública municipal, meu filho es­tuda em escola pública no mu­nicípio, sei a necessidade que se passa nas escolas, assim como no hospital municipal. Eu, que vivo a necessidade de todos os mora­dores, sei o que fazer para melho­rar cada ponto dessa cidade que tanto amo, sei onde estão os erros e sei como consertá-los.

Folha – Planos para o turis­mo. Quais são?

Simas – Praias Limpas: ex­cluir barracos da Praia Grande, arrumando um lugar alternativo para os pescadores colocarem seus materiais, abolindo a polui­ção visual. Dar continuidade ao calçadão da Praia Grande até o início da calha, além de conser­tar a própria calha para visitação, pois o lugar é lindo, além de ter um por do sol maravilhoso. Cons­truir a Casa do Pescador, aberto ao público, com fotos, rede de pesca, ossadas, todos os peixes da nossa região empalhados e co­locados no museu. Transformar a bomba da Praia Grande em um Aquário Temático, de vidro, com vários tipos de peixes. Morro co­lorido: o município dará a todos os munícipes residentes nos mor­ros da Cabocla, da Boa Vista e do Pontal, cimento e tinta, além da mão de obra de pintura em todas as casas do lado externo do seu imóvel, aumentando a valoriza­ção de suas casas e a visibilidade turística, acabando com a visão de favelização hoje existente.

Folha – A mobilidade urbana é um problema na cidade, que tem apenas uma via de acesso. Como resolver isso?

Simas – Os carros que não são dos moradores irão ficar em locais fora do centro da cidade, em estacionamentos municipais. Iremos colocar jardineiras e in­centivar o uso da bicicleta, além do incentivo à caminhada. Fare­mos também uma nova entrada no município, o caminho da Vila Industrial à Praia Grande, que já existe, mas iremos asfaltar com toda sinalização necessária.

Folha – E a Saúde?

Simas – Fui diretor de conta­bilidade da Secretaria de Saúde por diversos anos, sei o que fal­ta numa gestão pública. A Saúde na cidade é usada para benefícios políticos, vamos acabar com essa ligação e dar aos munícipes dig­nidade, independente da sua po­sição política. A Saúde passa por essa decadência, exatamente por falta de conhecimento dos admi­nistradores. Existem vários pro­gramas para serem usados de ma­neira preventiva e de combate a vetores, que hoje são usadas para encher a folha de pagamento com intuito de conquistar votos. Pre­cisamos tratar a Saúde com pro­fissionalismo e não com politica­gem. Vamos criar um convênio com outros municípios com in­tuito de reabrir a UTI no hospital. Sabemos que o gasto de uma UTI é grande, mas eu tenho esse com­promisso de abri-la, assim como a abrir a maternidade. Comprare­mos Ambulâncias e daremos aos postos de saúde, principalmente nos distritos como Monte Alto, Figueira, Sabiá, Novo Arraial e outros, que será aberto 24 horas, desafogando o Hospital Geral.

Folha – E na Educação?

Simas – Arraial do Cabo fi­cou em último lugar na Região dos Lagos e entre os últimos do Estado do Rio no desempenho do Índice de Desenvolvimen­to da Educação Básica (Ideb). Destinaremos 50% dos royalties do petróleo para a Educação. Criaremos um polo educacional nas áreas onde se encontram os Cieps: Yone Nogueira, João Tor­res, Ecatur e Parque Público. No polo serão concentrados a edu­cação, o esporte e a cultura do município, com quadras de es­porte, piscinas e espaço cultural. Criaremos a Universidade Re­gional, viabilizada por meio de um convênio entre os municípios da Região dos Lagos com apoio dos governos Estadual e Fede­ral, onde todos os cursos serão voltados à realidade da nossa re­gião. Criaremos o Ensino Médio Técnico, com cursos voltados ao mercado regional como Seguran­ça do Trabalho, Petróleo e Gás, Eletrotécnica, Enfermagem, Ra­diologia, Turismo, Hotelaria etc. Faremos um consórcio com as universidades Estadual e Federal, a fim de que sejam criados cursos de Turismo, Engenharia de Pesca e Petróleo e Gás. Teremos tam­bém o Projeto Aluno Nota 10. Como ficamos em último lugar no Ideb, temos a obrigação de elevar o grau escolar dos nossos alunos, com incentivo para nos­sos alunos e professores. Todos os alunos da escola pública mu­nicipal estarão concorrendo a bolsas de estudo pagas, obriga­toriamente, pela Prefeitura. Fora isso, todos os alunos das escolas municipais que tirarem nota 10, receberão um benefício, podendo ser viagens de férias, bicicletas, materiais esportivo e cultural ou valor em dinheiro, pago no final do ano aos alunos. No que se re­fere ao professor que cumprir a sua meta estipulada por sala de aula, terá incluso nos seus sub­sídios valores por cada meta ba­tida. O secretário de Educação será escolhido por voto direto dos profissionais concursados, não tendo influência do poder Execu­tivo Municipal; Assim como os diretores das escolas municipais serão escolhidos pelos alunos.

Folha – A cultura popular de Arraial é muito forte. O projeto Pescando Talentos, por exem­plo, se destaca por formar tan­tos jovens em diversos ramos culturais. Pretende dar conti­nuidade ao projeto? Quais seus planos para a Cultura?

Simas – Iremos continuar com o projeto sim, não só esse, como todos que forem para o benefício para a população. Faremos con­cursos anuais a fim de descobrir talentos e colocá-los dentro de uma gravadora, com intuito de divulgarem suas músicas, só po­dendo participar músicas inédi­tas. Além de ter professores para dar aulas, cada aluno escolhe o instrumento musical que quer aprender, cabendo ao município a compra desses materiais. Cria­remos o Dia da Leitura, com in­tuito de incentivar aos jovens a ler, tendo anualmente concursos de poesia também.

Folha – E os projetos para a pesca na cidade?

Simas – Meu projeto é criar um espaço com o nome Mercado do Peixe, uma feira diária para venda do pescado. Também tem o Frigorífico do Pescador. Vendo que nosso pescado é diariamen­te vendido para outros estados, o município terá um frigorífico municipal, para armazenagem do pescado. Comprando 50% para o restaurante popular e escolas mu­nicipais e 50% para revendas dos pescadores no comércio do peixe ou para seus atravessadores.

Folha – Como fugir da de­pendência da prefeitura? Quais seus planos para impulsionar a geração de empregos?

Simas – Dando incentivo fis­cal para empresas se instalem nos distritos. Faremos o novo Porto na Praia do Pontal, onde se en­contra o Porto do Forno hoje, o local onde hoje é o porto faremos uma super estrutura para abrigar exclusivamente o Turismo, a pes­ca e esporte náuticos.

* O candidato não respondeu às duas perguntas que seguem:

– Por que logo a Prefeitura an­tes da Câmara?

– Você não acha que a falta de experiência com a administração municipal possa te prejudicar?