Assine Já
terça, 27 de outubro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Robinson Azevedo retorna às aulas

Engenheiros medem escola para colocação de telas protetoras contra pombos

03 setembro 2015 - 10h11

NICIA CARVALHO

 

Depois de quatro dias sem aulas devido à infestação de pombos e mau cheiro provo­cado por uso de repelente para espantar os animais, a Escola Municipal Robinson Azevedo de Carvalho, localizada no Par­que Burle, em Cabo Frio, reto­mou o funcionamento normal na manhã de ontem. Equipes de engenharia vêm realizando, nos últimos dois dias, a medi­ção do prédio da unidade para a colocação de telas de prote­ção como forma a evitar que os pombos retornem à escola. De acordo com Simone Maria Pereira, diretora da escola, a colo­cação da tela já foi autorizada pelo prefeito Alair Corrêa (PP), segundo informou-a a secretá­ria de Educação Juciara Dimas, e a previsão é de que o material seja colocado o quanto antes.

– A estrutura do prédio é complicada, com muitos vãos e janelas diferenciadas, modelos diversos, então é um trabalho que tem que ser feito com muita cautela, mas todos têm pressa – explicou.

Saiba Mais – Desde a última quinta-feira, cerca de 600 estu­dantes, divididos em 21 turmas do primeiro ao quinto ano do ensino fundamental, estavam impedidos de ter aulas devido a uma dedetização realizada na escola para eliminar os pombos. Contudo, nos dias que se segui­ram, especialmente na segunda e na terça-feira desta semana, ao chegarem à unidade, havia mais pombos na escola, que também estava com fezes dos animais por todos os lados, além do ve­neno usado que gotejava do teto.

O forte mau cheiro do inse­ticida provocou inclusive, rea­ções adversas em estudantes e funcionários, como ardência na garganta e nos olhos, coceira na pele e mal estar, e alguns chega­ram a ser levados para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Cabo Frio. Eles foram atendi­dos e liberados em seguida.