Assine Já
quarta, 01 de dezembro de 2021
Região dos Lagos
25ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53693 Óbitos: 2188
Confirmados Óbitos
Araruama 12500 448
Armação dos Búzios 6584 73
Arraial do Cabo 1754 93
Cabo Frio 15591 902
Iguaba Grande 5572 147
São Pedro da Aldeia 7051 290
Saquarema 4641 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
"AQUI NÃO!"

Rio Una está no centro de polêmica ambiental em Búzios

Com resistência a projeto de transposição de efluentes, Consórcio Lagos São João estuda alternativas para interromper despejo na Lagoa de Araruama

27 junho 2021 - 13h30Por Rodrigo Branco

O Rio Una, que deságua em Armação dos Búzios, está no centro de uma polêmica em meio às discussões de propostas para interromper o despejo de efluentes [esgoto tratado] na Lagoa de Araruama. Ambientalistas e integrantes da sociedade civil, com o reforço da Prefeitura e da Câmara Municipal buziana, resistem à ideia de transposição dos efluentes da região para a bacia fluvial que chega ao mar no balneário.

Um grupo composto por moradores, comerciantes, hoteleiros e representantes de outros segmentos se articula para rechaçar uma possível intervenção nesse sentido, sob a alegação de que o lançamento dos efluentes pode causar dano ambiental nos ecossistemas locais, como o Mangue de Pedra e a Praia da Rasa, prejudicando populações de pescadores e quilombolas e também a atividade turística.

Um grupo foi formado para fazer ações de mobilização para chamar a atenção da sociedade civil. Integrante do grupo, a conselheira do Meio Ambiente de Búzios Denise Morand disse que foram reunidos trabalhos científicos que mostram os possíveis danos da transposição e pareceres jurídicos sobre o assunto, que vai parar no Ministério Público Federal. No começo do mês foi feito uma espécie de ‘abraço simbólico’ ao local.

– Precisamos de soluções modernas e sustentáveis. O reuso dos efluentes é uma possibilidade, mas a Prolagos tem que melhorar a qualidade do efluente que sai atualmente das suas estações de tratamento. Água doce é ouro. Precisamos revitalizar e proteger a bacia hidrográfica do Rio Una – afirma Morand, que reclama da falta de audiências públicas para tratar da questão.

A secretária executiva do Consórcio Intermunicipal Lagos São João, Adriana Saad, negou que o projeto de transposição para o Rio Una esteja relacionado aos efluentes de todos os municípios da região. Segundo Saad, estudos realizados projetam que o esgoto tratado nas estações terciárias de Iguaba Grande e em São Pedro da Aldeia deverão ser usados na irrigação de áreas rurais e despejados nos rios Papicu e Flexeira, a mais de 50Km da foz do Rio Una.

Com relação a Cabo Frio, a secretária-executiva avisa que sequer há discussão para transpor o esgoto tratado, uma vez que a estação de tratamento do Jardim Esperança é primária. Atualmente, o esgoto da cidade é tratado em seus coliformes e germes e lançado na Praia do Siqueira e no Canal da Malhada. Segundo Saad, foram liberados recursos para a realização de estudos para a melhor solução técnica e ambiental.

–  O mais importante é que não existe dois lados. A posição do Comitê de Bacia e do Consórcio jamais é antagônica à questão de Búzios ou de Cabo Frio. A gente preza pelos ambientes. Se tiver risco em algum ambiente, a senta pra discutir, pra buscar soluções. Não existe por parte do Comitê e muito menos do Consórcio essa divisão.

Presidente do Comitê de Bacia Hidrográfica Lagos São João, o biólogo Eduardo Pimenta, fez coro com a colega. Pimenta disse que a transposição para o Rio Una é somente uma das alternativas para cessar o lançamento de esgoto na Lagoa de Araruama.

Segundo ele, entre as propostas está a construção de um emissário submarino para o lançamento dos efluentes em mar aberto e também de envio para grandes reservatórios, com o objetivo de uso para irrigação em propriedades rurais. Independentemente da solução, o estudioso defende uma medida conjunta de todos os municípios.

–  O Comitê, o Consórcio, o colegiado da plenária, o poder público, usuários e ONGs têm o mesmo objetivo. Não há confronto de interesses. É preciso salvaguardar todos os sistemas naturais, seja o Mangue de Pedra, o Rio Una, a Lagoa; seja o Rio São João, a Lagoa de Saquarema. O fato é que todos esses ecossistemas estão saturados desse esgoto. Tanto a plenária, o Comitê e a sociedade precisam tratar desse tema com bastante importância, no sentido de que cada município, como gerador de efluentes, quer jogar. Aí a gente não pode pensar a nível individual, precisa pensar a região como um todo e não cada um ficar olhando só a sua fatia de território físico municipal. Esse é o grande desafio – conclui Pimenta.

Procuradas pela reportagem, as concessionárias também se posicionaram. Em nota, a Prolagos disse que não há nenhuma obra de transposição em andamento. A empresa informou que a transposição dos efluentes tratados para o Rio Una é uma das alternativas que estão sendo avaliadas pelo Consórcio e Comitê de Bacias Lagos São João.

A Prolagos disse ainda que, antes de ser implantada, a solução técnica definida pelo consórcio passará por processo de licenciamento ambiental. A concessionária concluiu dizendo que só irá implantar uma solução tecnicamente segura e adequada para o meio ambiente.

Já a Águas de Juturnaíba informa que não participa do projeto em questão, visto que o rio Una não faz parte de sua área de concessão.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.