Assine Já
domingo, 27 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
rio

Rio ganha ajuda dos EUA para combate ao tráfico de armas no estado

Agência americana vai instalar escritório na capital a pedido de Beltrame, secretário de Segurança

18 outubro 2015 - 13h40
Rio ganha ajuda dos EUA para combate ao tráfico de armas no estado

As dificuldades para traficar armas no Rio de Janeiro devem aumentar. O motivo é a abertura de um escritório regional na capital da agência americana Drug Enforcement Administration (DEA), que combate o narcotráfico dos Estados Unidos. O pedido foi feito pelo secretário de Segurança Pública do Estado, José Mariano Beltrame.

A informação foi publicada pela revista Isto É, no sábado (16), que destacou que dois agentes da DEA estariam na cidade providenciando a abertura do escritório. A data de instalação do escritório no Rio será definida pelo governo americano, mas informações dão conta de que os tramites já foram acertados. De acordo com a secretaria de segurança, o principal objetivo do governo do Rio é fazer um levantamento das rotas pelas quais as armas estrangeiras entram no Brasil e chegam às mãos do tráfico.

O pedido de Beltrame tem por base o alto volume de apreensões diárias de fuzis na capital. Segundo ele, são“1,2 por dia, quantidade considerada expressiva para uma cidade que “não está em guerra”. No início de setembro, o secretário afirmou que “a pessoa que tem um equipamento desses tem que sentir a força da lei, do apenamento, e tem que perceber que não vale a pena ter esse tipo de instrumento consigo, coisa que, no Rio de Janeiro, com o tempo, se banalizou”.

Há cerca de dois meses, a polícia apreendeu um fuzil de calibre 50 que tem capacidade de derrubar um helicóptero. Esse tipo de arma é considerado pelo secretário o “inimigo número 1” do combate ao crime no Rio. Ainda de acordo com a secretaria de Segurança, os agentes americanos também vão auxiliar na operação de segurança dos Jogos olímpicos de 2016.