Assine Já
segunda, 23 de novembro de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11377 Óbitos: 530
Confirmados Óbitos
Araruama 2262 116
Armação dos Búzios 1000 16
Arraial do Cabo 364 16
Cabo Frio 3609 179
Iguaba Grande 1034 39
São Pedro da Aldeia 1693 75
Saquarema 1415 89
Últimas notícias sobre a COVID-19
garimpeiros do mar

Ressaca leva 'garimpeiros' a tentarem a sorte na Praia do Forte

Há quem use até detector de metais para encontrar objetos de valor perdidos no mar

15 agosto 2017 - 13h55Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Ressaca leva 'garimpeiros' a tentarem a sorte na Praia do Forte

À primeira vista, a cena provoca estranhamento em quem a presencia na Praia do Forte, em Cabo Frio. Mais de dez homens de cabeça baixa, para lá e para cá, na beira do mar, como se estivessem procurando algo.

E de fato estão, mais do que procurando, praticamente ‘garimpando’ a faixa de areia sob o mar, em busca de objetos valiosos perdidos ou esquecidos pelos banhistas, como relógios, anéis, pulseiras e cordões.

Em período de ressaca, como o que acontece nos últimos dias, os ‘garimpeiros do mar’ apostam na subida da maré para trazer alguma peça de ouro que possa se transformar em renda extra. 

Extra mesmo, porque a maioria tem ocupação. É o caso do vigia noturno Davi Elias Ferreira, 47. Desde 2009 caçando ‘tesouros’ no Forte e em outras praias, Davi não economiza esforços e recursos para ter sucesso na empreitada. Ele dedica de cinco a seis horas diárias ao ‘ofício’.

Ele se destaca dos demais por usar uma ‘sand scoop’ (espécie de pá coletora) e um detector de metais com uma minicâmera acoplada que, em alguns casos, localiza objetos enterrados a meio metro de profundidade, dependendo da consistência da areia.

Davi usa equipamento para detectar metais sob a areia

O ‘caçador’ disse que já chegou a encontrar uma aliança de ouro de dez gramas (R$ 1.300, na cotação desta segunda). Ontem, em meia hora, Davi conseguiu achar duas alianças que, juntas, valem cerca de R$ 500.

– Se a pessoa vier todos os dias, consegue tirar um salário mínimo (R$ 937). Tem amigo meu que já tirou R$ 3 mil – garante ele, que mora na Ville Blanche.

Pouco antes da descoberta de Davi, o colega Júlio Medina, 56 anos, 40 de ‘garimpo’, desdenhava. 

– Ouro é sorte, não é aparelho – disse ele, que garante só ir ‘no olho’.

Com a experiência de quem já faturou R$ 5 mil em um dia, durante outra ressaca, ocorrida em 2010, Rogério Chaves, 35, sentencia.

– Tem que ter paciência e sorte. Só que mais paciência – crava.

Mas a maré não estava muito boa para Fernando da Silva, 43. Nos últimos 15 anos, o trabalhador da construção civil cavou buracos 'pelos sete mares' atrás de um qualquer. Para cada busca bem-sucedida como o brinco de argola que exibe na orelha esquerda, Fernando coleciona dezenas de histórias para contar. Em casa, na Célula Máter, ele diz ter um mural com as bijuterias e objetos curiosos encontrados. Há moedas antigas, dentaduras e até bala de revólver. Certa vez, ele afirma ter achado uma bicicleta no Canto do Forte. 

Mesmo com tanta gente ocupando o mesmo espaço, o rapaz garante que não tem briga. Ou melhor, ele lembra de uma ocasião em que a coisa quase saiu do controle.

– Em outra ressaca, veio um pessoal do Rio com o ancinho para pegar as coisas. O pessoal não gostou muito, mas depois fizemos amizade e ficou tudo certo – relembra.