Assine Já
segunda, 18 de outubro de 2021
Região dos Lagos
21ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52181 Óbitos: 2123
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6500 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14677 858
Iguaba Grande 5464 140
São Pedro da Aldeia 6968 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Repórter é impedido de fazer vídeo sobre demora na UPA do Parque Burle

Alcineu Ribeiro diz que se sentiu humilhado por ação de segurança e que vai em busca de seus direitos 

01 junho 2019 - 10h22
Repórter é impedido de fazer vídeo sobre demora na UPA do Parque Burle

O repórter Alcineu Ribeiro, 47 anos, sacou o celular para fazer uma filmagem dentro da UPA do Parque Burle e reclamar da demora no atendimento na manhã de ontem na unidade hospitalar. Ele só não contava com a truculência do segurança, que tentou tirar o celular da sua mão e, avisando-o de que não poderia filmar naquele local, o colocou para fora. Após uma tentativa frustrada de prestar queixa na delegacia, Alcineu afirma que se sente humilhado e que vai em busca de seus direitos. Depois de muito tempo sofrendo com os sintomas de uma gripe, mesmo após já ter tomado a vacina contra influenza, o repórter decidiu ir ao posto de saúde, chegando ao local às 8h. Cerca de 1h30 depois e, após passar pelo setor de registro e classificação de risco, Alcineu resolveu filmar a situação em forma de protesto.

– Foi então que eu resolvi pegar o meu celular e fazer um vídeo alertando as autoridades de Cabo Frio com relação a essa demora no atendimento, porque as pessoas estão ali já estão doentes, sofrendo, e ainda precisam passar por essa demora. É muito ruim. Foi quando me veio um segurança e de forma truculenta e desrespeitosa me agarrou pelo braço, me jogou pela porta e me levou para fora da UPA – explicou.

Passada a situação, o repórter se dirigiu até a 126ª DP (Cabo Frio), onde tentou prestar queixa pelo constrangimento, mas, segundo ele, o policial de plantão se recusou a registrar a ocorrência.

– Sei que tenho esse direito, pois passei por um constrangimento. Isso é crime de constrangimento, mas o policial que estava de plantão na delegacia se recusou, alegando que eu estava no interior de uma unidade de saúde e não teria o direito de estar filmando – disse, completando: – Vou acionar a Cor- regedoria da Polícia Civil para registrar essa ocorrência. Vou atrás dos meus direitos e já acionei meu advogado para isso – finalizou.

Em contato com a reportagem da Folha, o delegado titular da 126ª DP, Sérgio Caldas, afirmou que, na verdade, o policial de plantão sugeriu que fosse feito o registro atra- vés de petição, e aprovei- tou para convidar Alcineu para realizar o registro na delegacia.

– O policial de plantão me relatou que sugeriu a ele que fizesse através de petição, o que é de praxe, pois assim ele coloca tudo o que aconteceu, já que o registro de ocorrência é mais resumido. Quando é um caso confuso como é esse, o policial prefere que seja feito por petição, mas o cidadão não é obrigado a fazer a petição. É uma opção. Em relação ao Alcineu, ele pode vir me procurar, fazer o registro e, como tem um vídeo, isso melhora muito a situação. Nesse caso, eu acho que o vigilante da UPA agiu de forma exagerada, não poderia agir dessa forma – explicou.

Procurada pela reportagem, a Prefeitura de Cabo Frio, responsável pela administração da UPA do Parque Burle, onde o fato aconteceu, afirmou através de sua assessoria de imprensa que não iria se pronunciar sobre o caso. Alcineu afirma que após o ocorrido o sentimento é de humilhação.

– Me sinto completamente humilhado. E essa é pergunta que eu deixo para o prefeito Ariano Moreno: é para isso que nós pagamos os nossos impostos? Para sermos tratados desse jeito em uma unidade de saúde, onde deveríamos ser tratados com carinho e respeito? – questionou.