Assine Já
quinta, 01 de outubro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8438 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1675 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 256 15
Cabo Frio 2775 149
Iguaba Grande 699 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
Ranking da Transparência

Região melhora desempenho no Ranking da Transparência 2016

Estudo do Ministério Público Federal aponta ligeiro aumento das notas dos municípios

10 junho 2016 - 09h49Por Rodrigo Branco

As cidades da Região dos Lagos são coadjuvantes no que diz respeito à transparência nas contas públicas. Os sete municípios ocupam posições secundárias na nova edição do Ranking da Transparência, que acaba de ser divulgado pelo Ministério Público Federal. A boa notícia é que, apesar das deficiências, quase todas prefeituras apresentaram evolução nas notas recebidas em relação à última avaliação, divulgado em dezembro. Apenas Arraial do Cabo piorou o desempenho.

O destaque da novo ranking é Armação dos Búzios que teve nota 5,40, maior que a média nacional (5,15) e ligeiramente inferior à estadual (5,46), em uma escala que varia de zero a dez. Embora ainda ocupe a modesta 50ª posição entre os 92 municípios, o balneário subiu 25 colocações em relação ao levantamento feito no ano passado.

Cabo Frio, onde a prestação de contas da administração municipal é frequentemente contestada, não teve a situação alterada comparado à última listagem. Permaneceu na 55ª posição, apesar da nota ter subido de 3,50 para 5. Há um ano, quando foi feito o primeiro estudo do tipo pelo MPF, o município ostentava a 21ª colocação, mas com nota 4,4.

São Pedro da Aldeia, por sua vez, vive situação curiosa. É a única das cidades que teve crescimento constante nos três levantamentos, no entanto, como a evolução foi lenta, sua posição no ranking despencou, passando do 9º posto, em maio de 2015, para o 37º, na atual classificação.

Patinando na 88ª posição, Arraial recebeu a ínfima nota 0,40 do Ministério Público. O município cabista caiu 22 posições em relação ao fim do ano passado, quando teve avaliação 2,6. Araruama (6,80); Saquarema (3,50) e Iguaba (2,80) ficaram na 34ª, 70ª e 75ª posições, respectivamente.

Na esfera nacional, o Rio de Janeiro evoluiu da média 4,46 para 5,46, passando da 16ª para a 11ª colocação no ranking, que conta com os 26 estados e o Distrito Federal. Já a média nacional passou de 3,92 para 5,15. Para fazer o estudo, o Ministério Público leva em conta a publicidade dada pelo município das suas receitas, despesas, remunerações, assim como a disponibilidade de serviços que permitam aos cidadãos consultar esse dados.

Abaixo-assinado – Enquanto a mudança não acontece por iniciativa governamental, a sociedade civil se mobiliza para tentar a abrir a ‘caixa-preta’ das administrações públicas em geral.

Ontem, na Praça Porto Rocha, um grupo recolhia assinaturas para tentar regulamentar a Lei de Acesso à Informação (Lei Nº 12.527/2011) em Cabo Frio. O objetivo é conseguir 7.500 rubricas em três meses para poder ingressar com um projeto de lei de iniciativa popular na Câmara. Entre as entidades que pleiteiam a regulamentação da lei estão o Movimento Ecoar, Sindicaf, Acia, Sepe Lagos, OAB Cabo Frio, NEA-BC, Voz da Rede, Falaê Faladoria, AMA Praia do Siqueira, colégio Rui Barbosa, Asaerla e Uniamacaf.

– Vimos a necessidade de nos reunir e discutir sobre o assunto. E tivemos essa proposta trazida pelo movimento Ecoar pela transparência de elaborarmos uma minuta de lei, que vem do povo para a Casa Legislativa, visando garantir o direito e regulamentar métodos e sanções para o seu não cumprimento – explica o analista ambiental Fábio Santos, um dos articuladores do movimento.