Assine Já
quarta, 20 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21341 Óbitos: 711
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 1666 101
Últimas notícias sobre a COVID-19
Obra

Reforma da orla da Prainha, em Arraial do Cabo, começa a sair do papel

No entanto, canteiro de obras em área de preservação gera polêmica

24 outubro 2015 - 09h00Por Rodrigo Branco

Depois de um longo proces­so, com direito a desentendi­mentos da Prefeitura com os antigos quiosqueiros e a direção do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a reforma para re­vitalização da orla da Prainha, em Arraial do Cabo, finalmente começou anteontem. Estimadas em R$ 8,5 milhões, as obras se­rão custeadas pelo Governo do Estado por fazerem parte do programa ‘Somando Forças’.

   

Mas, apesar de toda a come­moração, a questão já resvala em nova polêmica nas redes sociais, como de costume. Fotos do can­teiro de obras sendo montado em local identificado como área de preservação ambiental gera­ram críticas e questionamentos dos internautas.

O secretário de Meio Am­biente de Arraial do Cabo, Gon­tram de Carvalho, informou que foi feito um estudo para escolher o local de instalação do canteiro de obras e o critério foi escolher o local que tivesse o menor im­pacto ambiental. Ele salientou ainda que o local escolhido, por ser uma superfície de grama, não tem vegetação nativa.

– Está no projeto que assim que terminar a obra, vamos plan­tar espécies nativas neste local. Não tinha como instalar o can­teiro na areia, mas foi tudo pla­nejado. Escolhemos o local com menor impacto – explicou Gon­tram.

Controvérsias à parte, as má­quinas e contêineres começam a tomar parte da paisagem que costuma encantar moradores e turistas que chegam à cidade. E assim será pelos próximos me­ses, uma vez que a previsão da secretaria estadual de Obras é que a reforma seja concluída no prazo de um ano.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa deste sábado (24)