Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Redução de salário

Redução de salários vista com maus olhos

Para especialistas, medida fragiliza relações de trabalho e pode afetar o consumo

09 julho 2015 - 10h13

RODRIGO BRANCO

Anunciado pela presidente Dilma Rousseff (PT) no início da semana como medida para tentar conter o desemprego, que em maio foi de 6,7%, a maior em cinco anos segundo o IBGE, o Plano de Proteção ao Emprego (PPE), de modo geral, foi encarado com reservas por especialistas e trabalhadores.
De acordo com a medida provisória, os empregadores podem diminuir em até 30% os salários de seus funcionários, com redução proporcional da jornada de trabalho. Parte das perdas será compensada com recursos do Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT), fixando a diminuição salarial em no máximo 15%. O prazo de validade do programa é de até 12 meses.

Para Jaelma Tosta Cardoso, o momento é de cautela, mas a advogada trabalhista alerta que os trabalhadores devem perder o poder de negociação.
– Acho uma medida paliativa.2014A relação entre o patrão e o empregado fica muito fragilizada. Para combater o desemprego é preciso uma medida mais eficaz. Receio muito pelo trabalhador – preocupa-se a advogada.
Para o economista carioca Daniel Soares, a iniciativa do Governo se justifica para um momento de crise econômica como o atual, mas, por conta da baixa popularidade que enfrenta a presidenta, ele condenou a estratégia de divulgação do plano.

*Leia matéria completa na edição desta quinta-feira da Folha.