Assine Já
quinta, 13 de maio de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
http://www.alerj.rj.gov.br/
http://www.alerj.rj.gov.br/
TEMPO REAL Confirmados: 37918 Óbitos: 1447
Confirmados Óbitos
Araruama 9612 300
Armação dos Búzios 4692 57
Arraial do Cabo 1317 69
Cabo Frio 10088 529
Iguaba Grande 3759 93
São Pedro da Aldeia 5248 224
Saquarema 3202 175
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Redistribuição de royalties tira sono de municípios

Presidente do STF marca julgamento de pauta para 20 de novembro

12 abril 2019 - 09h04
Redistribuição de royalties tira sono de municípios

O assunto já tira o sono dos prefeitos de municípios produtores de petróleo, inclusive na Região dos Lagos. Por pressão da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, marcou para 20 de novembro o julgamento da ação direta de inconstitucionalidade (ADI) 4917, que impede a adoção de novos critérios para a distribuição dos royalties do petróleo. Caso a ADI seja derrubada, o baque financeiro nos municípios da Região dos Lagos será grande.

Para se ter uma ideia, conforme a Folha publicou no último dia 27, apenas nos três meses do ano, com as cotas mensais, Cabo Frio recebeu R$ 36,7 milhões, a melhor marca desde 2014. Em levantamento feito nos últimos 20 anos (1999-2018), o município receber mais de R$ 5 bilhões com o recurso. A vizinha Armação dos Búzios viu entrar nos cofres R$ 1,6 bilhão. Ao todo, o grupo dos oito maiores municípios produtores, que inclui Campos dos Goytacazes, Macaé, Rio das Ostras, Quissamã, Carapebus e São João da Barra teve direito a mais de R$ 57 bilhões. Os valores são atualizados pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

O prefeito de Arraial do Cabo, Renatinho Vianna (PRB), não tem os números fechados, mas afirma que as perdas para o município seriam ‘gigantescas’. O município teve um aumento recente nas cotas dos royalties.

– A gente tem que estar unido para defender essa questão porque um exemplo claro disso é o vazamento de óleo que afetou várias praias da região e, principalmente, Arraial do Cabo. Esses critérios têm que ser levados em consideração, porque é um preço alto que se paga no caso de uma acidente, de um vazamento. Temos que defender os interesses de nossa região. Essa redistribuição está totalmente equivocada, pois o maior ônus é nosso, dos municípios que fazem parte da costa, que somos produtores. O maior exemplo é o minério de ferro em Minas. Então teria que ser dividido também e os outros produtos Brasil afora. Além de ser uma injustiça, vou brigar com todas as forças para defender os interesses de Arraial do Cabo, em primeiro lugar, e de todos os municípios produtores, principalmente os da nossa região – afirmou Renatinho.

A possibilidade de perder os recursos dos royalties alerta não apenas os municípios produtores, mas a própria bancada fluminense na Câmara Federal. Anteontem, por iniciativa do deputado federal Wladimir Garotinho (PSD), foi criada a Frente Parlamentar em Defesa dos Municípios Produtores de Petróleo. Na semana passada, já havia sido criada a Subcomissão de Óleo e Gás dentro da Comissão de Minas e Energia. O prefeito de Campos e presidente da Organização dos Municípios Produtores de Petróleo (Ompetro), Rafael Diniz, afirma que a redistribuição dos recursos seria a “falência” desses municípios.

– Estávamos vigilantes nessa pauta, não só enquanto prefeito, mas também como presidente da Ompetro. Já consegui contato direto com a maioria dos prefeitos da Ompetro, para buscarmos um caminho conjunto. Caso a partilha seja confirmada, se todos já vivemos numa dificuldade financeira tremenda, isso pode significar a falência dos municípios e estados produtores. Já fiz contato com o presidente (da Câmara) Rodrigo Maia (DEM/RJ), que inclusive esteve com a prefeita Fátima (Pacheco, de Quissamã). Se necessário, buscaremos pauta no STF – disse Diniz. 

A lei nº 12.734, de 30 de novembro de 2012, que modifica a partilha dos royalties foi sancionada na gestão da então presidenta Dilma Rousseff. Em 2013, o então governador Sérgio Cabral entrou com uma liminar no Supremo Tribunal Federal, que foi deferida em decisão monocrática pela presidenta da Suprema Corte á época, ministra Carmen Lúcia. 

Na ocasião, a ministra ressaltou que Cabral, autor da ação, citou “valores vultosos e imprescindíveis para o prosseguimento dos serviços públicos essenciais estaduais e dos municípios situados no Estado do Rio de Janeiro, e que seriam desidratados com a aplicação imediata do novo regramento”.
O argumento do Governo do Estado na ADI é de que a norma fere o pacto federativo originário da Constituição de 1988, pois o pagamento de royalties e a fórmula de cobrança do ICMS sobre o petróleo no destino – e não na origem – formam um sistema entre estados produtores e não-produtores, o que não pode ser alterado por meio de lei ordinária.

Questionadas, as prefeituras de Búzios e Cabo Frio não se manifestaram até o fechamento desta edição.