Assine Já
sábado, 19 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Entrevista

Rafael Peçanha: ‘Sei onde o calo aperta, também sou servidor’

Professor disse que está preparado para cobrança de colegas da Educação por sua futura atuação na Câmara

21 outubro 2016 - 01h33
Rafael Peçanha: ‘Sei onde o calo aperta, também sou servidor’

A partir do ano que vem, o professor de História e sindica­lista Rafael Peçanha vai sair da condição de estilingue para a incômoda posição de vidraça. Mas, alçado pela primeira vez a umas das 17 cadeiras da Câmara Municipal pelos 1.794 votos re­cebidos para vereador, o pedetis­ta afirma que não está preocupa­do com a cobrança dos colegas da Educação e garante que con­tinuará a ser um fiscal das ações do governo municipal.

– Ele (Alair) teve contribuição histórica para a cidade, mas ago­ra é página virada – diz.

Folha dos Lagos – Você es­perava uma votação tão ex­pressiva logo na primeira vez?

Rafael Peçanha – A gen­te tinha a consciência de que a população de Cabo Frio clama­va pelo novo e pela mudança, principalmente na Câmara. Nós tentamos corresponder a essa expectativa com uma campanha propositiva, limpa e honesta. Foi fundamentada no voluntariado e na militância. Trabalhamos para ter uma votação expressiva e ti­vemos a votação que a popula­ção de Cabo Frio quis que tivés­semos. Fui o vereador do PDT mais votado em toda a região da Baixada Litorânea. Então, o tra­balho foi reconhecido e agora a gente é que precisa dar uma pro­va de gratidão para a população, honrando esses votos e fazendo um mandato histórico.

Folha – Que tipo de recado a renovação da Câmara passa para os políticos tradicionais?

Peçanha – O recado é que é preciso renovar as lideranças políticas em Cabo Frio. Esse momento velho da política da cidade passou, mas também não é momento de gente nova com práticas velhas. A gente preci­sa estar atento a isso. Os novos vereadores precisam estar uni­dos, precisam estar articulados. A gente está trabalhando em cima disso. Precisamos liderar um movimento de renovação, de unidade desses novos verea­dores. Já estamos fazendo isso para que possamos mostrar com as nossas ações e nossas atitudes essa renovação. Que não seja so­mente uma renovação de nomes, mas uma renovação de ideias e de projetos políticos para o fu­turo da cidade. Algumas lide­ranças antigas se foram. Não terão mais espaço na política de Cabo Frio. E é hora de novas li­deranças surgirem e a gente quer concorrer a essa corrida sempre pensando em melhorar a cidade, nunca no benefício individual.

Folha – Quando você fala em velhas lideranças você se refere ao prefeito Alair Corrêa?

Peçanha – No nosso gru­po político não se fala mais em Alair Corrêa. Alair é uma lide­rança morta na cidade. É uma página que tem que ser virada. Deu a sua contribuição histórica à cidade, tanto boa quanto ruim, mas agora é momento de pensar para frente. Ele não existe mais politicamente assim como Paulo César. Em 2008, ele foi à rádio dizer que estava jogando uma pá de cal no PDT. Hoje a gente que jogou nele. Então, ele está fora do processo político e nós temos que construir novas lideranças para ocupar esse espaço, promo­ver gestões modernas, gestões participativas e populares, que é o que a gente não tem na cidade.

Folha – Como você avalia esse primeiro momento na Câ­mara Municipal, quando as novas forças políticas ainda vão começar a se aglutinar?

Peçanha – Eu não vou ter muita dificuldade na ambienta­ção porque já trabalhei lá como servidor concursado, então sei como funciona. A minha ideia é começar já marcando posição, sendo incisivo nos posiciona­mentos. E eu tenho dito para as pessoas que vou continuar sen­do tão atuante e corajoso quanto sempre fui e é como servidor, como militante, e como sindi­calista. Então a nossa posição é bastante clara: vamos aplaudir o que for bom pra a cidade e criti­car, fiscalizar e denunciar o que for nocivo, como sempre fiz.

Folha – Então quem espera de você ‘oposição por oposi­ção’, não é bem isso...

Peçanha – Vamos fazer na Câ­mara o que a gente já faz: oposi­ção consciente responsável e ma­dura. Mas uma oposição firme e decidida em favor da cidade.

Folha – Você tem comentado a respeito da necessidade de auditoria nas finanças públi­cas. Vai ser uma prioridade?

Peçanha – Essa é coisa mais urgente na cidade: uma auditoria responsável, técnica, para que a gente possa identificar para onde foi o dinheiro, por que ele não está indo para o lugar correto e o que podemos fazer já a partir de 1° de janeiro para que ele vá. Ao lado disso, temos que traba­lhar para melhorar a arrecadação própria do município em relação aos impostos, em relação a, tal­vez, facilitar o pagamento de impostos para poder lucrar mais. Então a gente precisa de um pla­no de ação de recuperação finan­ceira de Cabo Frio. Um plano emergencial, nos primeiros dias de governo e, a partir de então, construir projetos de médio e longo prazo para recuperação financeira. E essa recuperação financeira passa decididamente pela estabilização do salário do servidor. Isso é fundamental. É o servidor que movimenta a eco­nomia e que movimenta o pro­cesso social e político da cidade. Então, pagar o que é devido, pa­gar em dia, restabelecer os direi­tos do servidor é uma bandeira de prioridade para a gente recu­perar financeiramente a cidade.