Assine Já
segunda, 23 de novembro de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 11377 Óbitos: 530
Confirmados Óbitos
Araruama 2262 116
Armação dos Búzios 1000 16
Arraial do Cabo 364 16
Cabo Frio 3609 179
Iguaba Grande 1034 39
São Pedro da Aldeia 1693 75
Saquarema 1415 89
Últimas notícias sobre a COVID-19
aquiles barreto

‘Quero ser o mais votado da cidade’, afirma Aquiles Barreto

‘Cidade passou de uma administração razoável para uma péssima’

11 agosto 2015 - 08h45
‘Quero ser o mais votado da cidade’, afirma Aquiles Barreto

Ano passado, Aquiles Barreto fez campanha para deputado estadual junto ao ex-prefeito Marquinho Mendes, principal oposicionista ao governo Alair Corrêa (PP). Desde então, o vereador do Solidariedade foi carimbado de vez como líder da oposição da Câmara. Mas ele quer assumir um papel diferente: em vez da “oposição por oposição”, a estratégia, diz, é contribuir com ideias e propostas.
Folha dos Lagos – O assunto da última semana é o protesto da cantora Taz Mureb contra a dívida da Prefeitura em relação ao Proedi. Qual a sua opinião?
Aquiles Barreto – O Proedi foi um programa muito bem feito desde 2011, quando pessoas capacitadas escolheram os melhores projetos, e tem que ser cumprido. A Taz tem o direito de receber desde o início do ano, para gravar seu CD. Já estamos passando por agosto e não temos nada. O prefeito sempre coloca para frente. Na terça vou preparar um discurso para homenagear a Taz na sessão da Câmara.
Folha – Pensando nas eleições do ano que vem: a tendência é o quadro na Câmara melhorar ou piorar?
Aquiles – A Câmara tem, de quatro em quatro anos, uma mudança natural baseada no trabalho de cada vereador. Acho que vai existir mudança sim, só não sei quanto.
Folha – E você, vai disputar a reeleição?
Aquiles – Sim, eu sou candidato a reeleição. Estou junto com mais dois vereadores, Rodolfo de Rui e Carlos Martins. Estamos trabalhando um bloco para disputar essa reeleição, esse é o meu caminho. Quero ser o mais votado da cidade.
Folha – O silêncio da oposição é estratégia?
Aquiles – A cidade vive um problema administrativo e de planejamento. Eu não vejo silêncio da oposição, e sim uma oposição preocupada, porque a cidade passou de uma administração razoável para uma péssima, e isso mexe com a vida das pessoas que dependem da Prefeitura para sobreviver. Deveria ter existido no início do mandato uma preocupação, já que foi aprovado o Plano de Cargos e Salários, a diminuição da comissão da cidade. Não dá para ter o mesmo investimento que tínhamos e ter a questão dos portariados e comissionados na cidade. A conta não fecha, e como a não fecha esse rombo vai ficando mais evidente a cada mês. Isso é um fato. Mas se fizermos uma oposição só por oposição, sem proposta, sem ideias, vamos passar por um rombo. Não vejo silêncio, vejo um trabalho de contribuição, fazendo propostas e chamando a atenção para alguns pontos. Não dá para ter uma cidade em crise e ter um orçamento tão alto. Temos que pensar na cidade nesse momento.
Folha – O Vanderlei Bento disse que os cidadãos acostumaram mal os vereadores...
Aquiles – Quando entrei como vereador, achava que pudéssemos fazer tudo diferente, mas de cem pessoas que atendemos, noventa falam de problemas pessoais. São problemas que temos que tirar o cara da fome amanhã. Lógico que essas pessoas vão procurar os vereadores mais do que procuram médicos e advogados, e isso gerou um vício na cidade. Temos que romper com isso, alertar, falar sobre isso. Confesso que a maioria dos vereadores pensa nessas mudanças, mas vemos que o buraco é mais embaixo. É difícil mudar essa realidade do dia para a noite. Eu e o Vanderlei, que somos novos, temos que pensar na tecla da mudança, que mudar esse assistencialismo.