Assine Já
segunda, 25 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
Gramática

Quem nasce em Cabo Frio é cabo-friense, com hífen

Especialistas em linguística tiram dúvida e dizem que não há motivo para polêmica

01 setembro 2020 - 16h43Por Julian Viana e Tomás Baggio
Quem nasce em Cabo Frio é cabo-friense, com hífen

Cabofriense ou cabo-friense? Afinal, qual é a grafia correta da palavra que descreve quem nasce em Cabo Frio? Muita gente costuma escrever 'cabofriense', junto e sem hífen. Inclusive, assim é grafado o nome do clube de futebol: Associação Desportiva Cabofriense.

Nas redes sociais, é comum ver a volta do debate. Em publicação recente na página da Folha dos Lagos no Facebook, em que a palavra era grafada 'cabo-friense', um internauta reclamou.

"Cabofriense com hífen doeu a vista", disse.

Outro entrou na conversa e contestou.

"Quem nasce em Cabo Frio é cabo-friense".

O que escreveu a primeira mensagem voltou para reiterar.

"Já não é mais! Esse hífen caiu com a reforma ortográfica de 2008 (Decreto 6583/2008)", afirmou.

A incerteza também existe no meio literário. Segundo a presidente da Academia de Letras de Cabo Frio, Jaqueline Brum, muitos escritores ainda têm dúvidas sobre a maneira correta.

"Essa é uma dúvida muito recorrente também no meio literário. Já tivemos algumas discussões sobre o assunto. Alguns acreditam que as duas formas estariam corretas, no entanto, muitos escritores preferem com o hífen", afirma ela, que é bióloga e escritora. 

Apesar do grande debate, especialistas em Língua Portuguesa ouvidos pela Folha consideram que a polêmica não se justifica, e sentenciam: a palavra cabo-friense deve ser escrita com o hífen. 

Com poucas variações, as explicações se completam. Para a professora Mônica Cabral, mestre em Língua Portuguesa, a ausência do hífen em um nome próprio, como no caso do time Cabofriense, pode ser entendida como uma licença.

"O que acontece é o seguinte: os nomes próprios que são compostos, como Cabo Frio, têm os seus derivados, que a gente chama de adjetivos gentílicos ou pátrios. Se o nome original é composto, o adjetivo derivado desse nome também será uma palavra composta. Sendo assim, o uso do hífen é obrigatório. Por esse motivo a palavra cabo-friense precisa ter o hífen", explica, completando:

"De maneira geral, as pessoas esquecem o hífen. Na nossa cidade, por exemplo, o nome do time ‘Cabofriense’ não tem o hífen, mas isso pode explicado pela questão da licença por conta de ser um nome próprio, no caso o nome do time", considera.

O professor de Língua Portuguesa e Redação Bruno Ramos concorda.

"É a mesma regra que se usa para norte-americano, mato-grossense, belo-horizontino ou nova-iorquino, entre outros", exemplifica.

A professora de Língua Portuguesa e Redação Aline Machado dá outros argumentos para a mesma teoria. Segundo ela, "devemos usar o hífen nas palavras compostas derivadas de topônimos, que são os nomes próprios de lugares". Como 'Cabo Frio' é um nome composto e próprio de lugar, sua derivação 'cabo-friense' precisa ser escrita com hífen.

Sobre o decreto de implementação do novo acordo ortográfico da língua portuguesa, citado pelo internauta que escreveu na página da Folha, a professora considera que houve confusão.

"A reforma ortográfica foi assinada em 1990, para unificar a escrita nos nove países lusófonos, que falam e escrevem a língua portuguesa em todo o mundo. Foi mais uma questão política do que linguística, em virtude da necessidade de unificação das linguagens de documentos oficiais. Brasil e Portugal estiveram entre os últimos países a fazerem suas adequações. Após muitos prazos adiados, em 2008 começou um período de transição, e a partir de 2016 o novo acordo entrou definitivamente em vigor. O interessante é que, antes, o uso do hífen não seria obrigatório na palavra cabo-friense, mas justamente a partir deste documento, passou a ser", ensina Aline Machado.

Para encerrar qualquer discussão, a dica é conferir o Portal da Língua Portuguesa, uma página oficial ligada ao Ministério da Educação, que tem o objetivo de tirar dúvidas em relação ao acordo ortográfico. Entre as ferramentas disponíveis está o Dicionário de Gentílicos e Topônimos. Dentro dele, uma lista para consulta gentílicos já adaptados ao acordo ortográfico. 

Na letra C, o fim de qualquer dúvida. Cabo-friense, com hífen, aparece próximo a cabo-verdense (natural de Cabo Verde) e aos demais gentílicos ou substantivos compostos que são formados por duas palavras que fazem sentido sozinhas.

Por convenção, a Folha dos Lagos costumava usar 'cabofriense', sem hífen, em suas reportagens. A partir desta matéria, o jornal deixa de aceitar a forma antiga e passa a grafar a palavra de acordo com a norma gramatical.

O jornalista Thiago Freitas, escritor e colaborador da Sophia Editora, que publica autores da região, considera a decisão acertada.

"Sou defensor dos diferentes falares da língua de acordo com a região, mais não dos escritos... vale o que reza a gramática", afirma.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.