Assine Já
quarta, 27 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
31ºmax
22ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 22503 Óbitos: 742
Confirmados Óbitos
Araruama 5567 166
Armação dos Búzios 2960 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 6068 247
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
Redução

Queda assusta, mas especialista diz que só isso não explica problemas

Redução no repasse dos royalties assusta Cabo Frio e cidades vizinhas

12 novembro 2015 - 09h40Por Rodrigo Branco

Que a crise econômica bra­sileira chegou para valer na re­gião não é nenhuma novidade. Os números não mentem e os repasses dos royalties em fran­ca queda, há meses, assustam Cabo Frio e cidades vizinhas. O último golpe foi o repasse da parcela trimestral de novembro, quando chegaram aos comba­lidos cofres cabofrienses ‘ape­nas’ R$ 3.126.748,33, contra R$ 37.295.100,06, recebidos na cota do mesmo mês, em 2013. Isto significa uma queda de 92% em dois anos.

As parcelas mensais do recur­so também não passaram imu­nes aos problemas na Petrobras e ao declínio no preço do barril de petróleo no mercado inter­nacional. A cota mais recente, recebida no fim de outubro, foi de 8.939.109,53, valor 43,7% menor do que o depositado no mesmo mês do ano passado, que foi de R$ 15.876.258,37.

 

Especialista diz que falta transparência

Em que pese o impacto na economia que representa a per­das dos recursos, a alegação de que apenas isso justifica os problemas da cidade não é to­talmente verdadeira. Isso é o que diz o economista Leandro Cunha, que publica coluna na Folha às sextas-feiras. O espe­cialista defende ainda a abertura das contas da prefeitura para que se saiba com exatidão o impacto da queda dos royalties e das me­didas de contenção de despesas já tomadas no caixa municipal.

– Macaé e Rio das Ostras pas­saram pelo mesmo problema e conseguiram se ajustar. A coisa está mal explicada e não fica cla­ro para a população. A sensação que dá é que houve má gestão dos recursos e as medidas neces­sárias não foram tomadas – diz.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira (12)