Assine Já
sábado, 27 de novembro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53350 Óbitos: 2180
Confirmados Óbitos
Araruama 12493 447
Armação dos Búzios 6571 73
Arraial do Cabo 1754 93
Cabo Frio 15299 896
Iguaba Grande 5549 146
São Pedro da Aldeia 7043 290
Saquarema 4641 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Quando a história de vida conta a memória de uma época

Testemunha viva da época de ouro do sal, José Gonçalves lança livro que é retrato de um período

07 maio 2019 - 09h15
Quando a história de vida conta a memória de uma época

TOMÁS BAGGIO

A história da indústria salineira em Cabo Frio é tema do livro ‘O Sal - Nossa Riqueza, Sua História, Minha Vida’, de José Antunes Gonçalves, lançado na semana passada no Clube Tamoyo. Trata-se de um relato de quem viveu o período. José Gonçalves nasceu em 1930 e desde criança conviveu de perto com o mundo do sal. Ao narrar o dia a dia de sua vida, faz, como poucos poderiam, verdadeiro retrato de uma época.

José Gonçalves conta em detalhes a infância na região de Massambaba, atualmente Arraial do Cabo, na época parte de Cabo Frio, e o convívio com salineiros, muitos deles portugueses. Relata o funcionamento da comunidade e cita, por exemplo, passagens como a chegada da energia elétrica. Já na fase adulta em Cabo Frio, mostra como embarcações faziam o transporte do sal produzido nas salinas no entorno da Lagoa de Araruama para os galpões que armazenavam o material na Passagem, antes da distribuição.

– A maior parte do livro foi feita com a minha memória. Me lembro de tudo, trabalhei nas salinas, em escritórios de exportação do sal. Conheço todos os navios e a quem eles pertenciam, os armazéns de sal e seus proprietários. Era uma história de riqueza. Em uma terra que tem uma paisagem tão bonita, uma natureza de tanta exuberância, as salinas pareciam emoldurar essa paisagem – lembra o escritor, do alto de seus 88 anos.

Ele lamenta a decadência da indústria salineira e explica como as salinas foram perdendo o protagonismo ao longo dos anos. 

– A partir do momento em que os portugueses que fizeram essas salinas morreram, os filhos não quiseram dar continuidade. Começaram a dizer que a produção não era consistente, que era um produto muito barato. Acabaram com essa nova visão transformando as salinas em loteamentos – afirma.

Também vale destaque no livro a descrição sobre os galpões de sal da Passagem. O tema é fruto de debate por conta do pedido de demolição de partes de um imóvel na Avenida Almirante Barroso que, segundo historiadores, serviu para o armazenamento de sal. O pedido de demolição feito pelo proprietário argumenta que o local nunca abrigou um dos galpões do sal, e que, por isso, não seria de interesse histórico e cultural. Críticos da possibilidade de demolição argumentam que o imóvel que pode ser colocado abaixo faz parte da história da cidade, e pedem que a demolição não seja autorizada.

Para José Gonçalves, a discussão nem deveria existir. Ele conta ter visto com os próprios olhos a quantidade de sal que chegava por ali.

– Ali aportavam os navios que vinham da lagoa e adentravam o Canal (Itajuru). Existiam diversas salinas no entorno da lagoa e os navios traziam por ali, passavam debaixo da ponte (Feliciano Sodré) e deixavam o sal nos armazéns. Com certeza (este imóvel era um dos pontos), estive lá e convivi na minha juventude – conta.

A publicação do livro já é considerada uma importante contribuição para a difusão da ainda tão carente memória local. Para o professor de História José Francisco de Moura, o livro é “espetacular” e “muito bem escrito”.

– O livro é espetacular. Cheio de detalhes, muito bem escrito. Fornece um mar de informações fantásticas para os historiadores, sobre as famílias da época, a riqueza da lagoa naquele período, a vida na região da Massambaba, como ouviam noticias e muitas outras coisas. É riquíssimo em detalhes. Um dos melhores livros de não historiadores já escritos sobre a historia de Cabo Frio, com certeza – sentencia Chicão.

Para quem ficou curioso, é preciso torcer para esbarrar com o escritor por aí ou aguardar uma segunda edição, ainda não planejada. Isso porque o livro não está em nenhum ponto de venda, e nem mesmo sendo vendido em mãos. José Gonçalves está distribuindo um a um. E com a crítica positiva, os exemplares já estão acabando.