Assine Já
quarta, 30 de setembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8402 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1657 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2765 149
Iguaba Grande 695 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
PT

PT deve lançar candidato próprio à Prefeitura de Cabo Frio em 2016

Eduardo Kita é o nome mais cotado para fortalecer a sigla

25 maio 2015 - 14h18
PT deve lançar candidato próprio à Prefeitura de Cabo Frio em 2016

 A estrela quer brilhar mais forte na Região dos Lagos nas eleições do ano que vem. Como parte da estratégia de fortaleci­mento do Partido dos Trabalha­dores no interior do Estado, pro­posta pelo presidente estadual da sigla, Washington Quaquá, a ideia é ter candidaturas próprias à prefeitura do maior número possível de cidades e com a Bai­xada Litorânea não é diferente.

Se, em Arraial do Cabo e Ar­mação dos Búzios, as pré-candi­daturas de Reginaldo Mendes e Carlos Alberto Muniz, respeti­vamente, parecem consumadas; em Cabo Frio, ao que tudo indi­ca, o caminho começa a ser pa­vimentado em direção à disputa majoritária. O primeiro passo do ‘projeto 2016’ foi dado durante um congresso municipal do PT realizado há algumas semanas, no qual, entre outras resoluções, foi levantada a tese da candida­tura própria, que embora ainda precise ser apresentada já conta­ria com a simpatia da Executiva Estadual.

Neste cenário, mesmo ainda sem a indicação formal, imedia­tamente despontam os nomes do vereador e presidente do diretó­rioo municipal Eduardo Kita e da secretária municipal de As­sistência Social Carolina Corrêa, com vantagem para o primeiro, parlamentar de quatro mandatos na Câmara e antigo militante do partido.

Embora admita que qualquer decisão em nível municipal pre­cisa ser confirmada pelas Execu­tivas Estadual e Nacional, Kita afirmou que a candidatura pró­pria é uma ‘tendência’ no ano que vem.

– Diferentemente de outros partidos, o PT não é cartorial, onde a pessoa é indicada por cartório e registro. Nós temos eleições internas e toda uma mecânica para que o presidente e a direção conduzam as ações partidárias de políticas locais. O que for decidido aqui em Cabo Frio é o que vai acontecer. O que os filiados e diretores do partido decidirem em termos de conjuntura política com certeza, pela democracia que impera no partido, será consolidado. Não existe aquele negócio de deci­são tomada por cima e caciques decidindo por nós. No PT, quem decide é a base – frisou.

Com mandato na Câmara ca­bofriense pela primeira vez des­de 1992, o PT pretende ampliar a sua bancada, hoje resumida à Kita. Sem uma orientação parti­dária definida quanto ao manda­to do prefeito Alair Corrêa (PP), de quem é parente, o vereador, hoje na base aliada do Governo, diz que eventuais composições com as forças políticas domi­nantes na cidade dependerão do momento e das circunstâncias.

– O partido tem me deixa­do muito à vontade quanto a isso. Mas eu posso afirmar que o Congresso, que é a instância mais ampla de discussão políti­ca, já decidiu pela candidatura própria, nada que não possa ser reformado lá na frente, mas sem­pre decidido por nós mesmos. Mas, a princípio, é hoje – disse.

Brigas internas no partido atrapalha

O projeto de expansão do PT na região pode ser ambicioso, mas os conflitos de bastidores podem atrapalhar bastante os planos da legenda daqui a 16 meses. Problemas em Arraial do Cabo e São Pedro da Aldeia, principalmente, têm potencial para render horas de diálogo e negociação, mas em alguns ca­sos o rompimento pode ser ine­vitável.

No município cabista, de­pois de seis anos no Governo, o partido rompeu com o prefeito Wanderson Cardoso de Brito, o Andinho, no fim do ano passado, por divergências no 2º turno das eleições (Andinho apoiou o go­vernador Luiz Fernando Pezão enquanto os petistas seguiram com Marcelo Crivella).

Por decisão tomada pela Exe­cutiva Municipal, o ex-secre­tário de Obras Carlos Roberto Pica-Pau e comissionados en­tregaram os cargos, mas o único vereador eleito pela sigla, Ayron Freixo, segue na base de apoio ao prefeito, situação que coloca em xeque sua permanência no parti­do. Apesar dos contratempos, o vice-prefeito Reginaldo Mendes já confirmou que é pré-candida­to à Prefeitura de Arraial.

Por sua vez, em São Pedro, a resistência é contra o prefeito Cláudio Chumbinho. Correntes partidárias o criticam pelo ali­nhamento irrestrito ao Gover­no do Estado. No ano passado, Chumbinho esteve no palanque com Pezão, enquanto o PT es­tadual caminhou com Crivella, orientação seguida inclusive pelo então candidato da sigla no 1º turno, Lindberg Farias.

No entanto, apesar do ‘ra­cha’, característico de uma si­gla historicamente dividida e de característica ‘assembleísta’, a expectativa nas bases é por um crescimento regional e estadual nos próximos anos.