Assine Já
quarta, 08 de dezembro de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53859 Óbitos: 2198
Confirmados Óbitos
Araruama 12575 449
Armação dos Búzios 6589 73
Arraial do Cabo 1755 93
Cabo Frio 15647 903
Iguaba Grande 5581 147
São Pedro da Aldeia 7057 290
Saquarema 4655 243
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Projeto coloca crianças autistas para dançar

Aulas gratuitas reúnem crianças com autismo e síndrome de down de 3 a 12 anos

18 setembro 2019 - 20h15Por Tomás Baggio
Projeto coloca crianças autistas para dançar

Um projeto está dando a oportunidade de crianças com transtorno do espectro autista aprenderem a dançar em Cabo Frio. As aulas são gratuitas e reúnem, também, crianças com síndrome de down.

As atividades ministradas pelo professor de dança Allan Lobato são abertas e ocorrem às quartas-feiras, as 16h30, na Casa de Apoio à Família do Deficiente, na Rua Portugal, 5, no bairro Jardim Caiçara, em parceria com a Associação dos Pais, Profissionais e Amigos dos Autistas de Cabo Frio (Appa Casa Azul). Atualmente são 12 crianças entre 3 e 12 anos de idade.

– Sabemos que a dança tem a capacidade de transformar o comportamento das pessoas. A dança gera inclusão social e muitas melhoras relacionadas à interação social dos alunos. Também é importante na parte da coordenação motora, da postura e outras áreas. Estamos muito satisfeitos com os resultados – diz Allan Lobato, que busca apoio para manter e expandir o projeto.

Para a presidente da Appa Casa Azul, Núbia Lopes, o projeto está sendo surpreendente.

– O Allan veio propor essa parceria e achamos muito interessante. A cada aula chega uma criança nova para conhecer e vão ficando. Existe o mito de que o autista não gosta de contato, mas eles gostam de interação social, sim, só não sabem como fazer. Quando alguém ensina o caminho, eles vão se desenvolvendo bem e tudo vai fluindo normalmente – afirma Núbia, que é mãe de dois meninos com transtorno do espectro autista, Miguel, de 4 anos, que participa das aulas de dança, e Samuel, de 9, que prefere jogar capoeira.

– É muito importante que mães e pais estejam sempre em busca do que a criança gosta. Eles vão demonstrar com o que se identificam mais – completa.

Entre as mães de crianças que participam do projeto, Elizabeth Oliveira destaca a evolução do filho, Luis Gustavo, de 5 anos. Para ela, é nítido que o filho está interagindo mais.

– Para ele está fazendo muito bem. Ele é um pouco tímido, que é uma coisa comum dentro do espectro autista, mas está ficando mais desinibido. Está socializando mais. Ele é não verbal, está começando a falar agora, então esse tipo de estímulo é muito importante. Na quarta-feira ele faz duas terapias antes da aula de dança, mas quando vai chegando o horário, já fica ansioso, querendo ir dançar. No domingo estávamos vendo TV, teve a dança dos famosos (quadro do programa Domingão do Faustão, na Globo) e ele me tirou pra dançar. Está realmente interessado, isso é ótimo – conta ela.