Assine Já
domingo, 29 de novembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12084 Óbitos: 539
Confirmados Óbitos
Araruama 2426 118
Armação dos Búzios 1132 16
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3625 181
Iguaba Grande 1129 40
São Pedro da Aldeia 1874 76
Saquarema 1471 92
Últimas notícias sobre a COVID-19
greve

Professores decidem encerrar a greve em Cabo Frio

Profissionais que decisão de encerrar ano letivo de 2015 foi "em consideração aos alunos"

08 março 2016 - 09h25
Professores decidem encerrar a greve em Cabo Frio

Os profissionais da Educação de Cabo Frio decidiram encerrar a greve da categoria, um dia antes da paralisação compeltar três meses. A decisão foi tomada em assembleia realizada na noite desta segunda-feira (7) na escola municipal Edilson Duarte. De acordo com os professores e funcionários, o fim da grave foi "em consideração aos alunos e pais que sempre apoiaram o movimento. Afinal, quem quer a greve é o prefeito que não respeita a população, muito menos a categoria". Com isso, o ano letivo de 2015 que tinha ficado pendente em várias unidades da rede municipal será encerrado.

Apesar da volta ao trabalho, o sindicato alerta que a categoria ainda se encontra em "estado de greve", podendo retomar a paralisação a qualquer momento. Os trabalhadores reclamam falta de pagamento do salário de fevereiro, o parcelamento do 13º salário, atraso de quatro meses no vale-transporte, entre outras reivindicações.

Prefeito se manifesta: "Pirraça e maldade"

Em sua página no Facebook, o prefeito Alair Corrêa comentou a decisão dos professores em retorar as aulas, mas se por um lado celebrou a decisão, por outro a atacou, dizendo se tratar de "decisão política". Segundo Alair, os profissionais só decidiram retornar ás escolas por "medo dos pais que são eleitores". Para ele, a manutenção da paralisação foi por "pirraça e maldade".

– Começaram uma greve política para atritar o governo com a população. Agora foram obrigados a terminar a greve para não entrarem em atrito com o eleitorado. Nos últimos dias tentei ser ouvido pelo Sepe. Não consegui. Hoje, embora não considere o fim da greve como um gesto de humildade e compreensão, pretendo convidá-los para conversar sobre suas reivindicações e sobre as dificuldades do nosso governo, pois havia colocado o dia de hoje como o derradeiro para qualquer avanço do processo por parte do Governo. Contudo, se como sindicalistas resolveram voltar às escolas, não há porque manter-me ausente dos entendimentos, afinal de contas o que todos nós desejávamos aconteceu: os professores voltando às escolas – prometeu.