Assine Já
quarta, 08 de dezembro de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53859 Óbitos: 2198
Confirmados Óbitos
Araruama 12575 449
Armação dos Búzios 6589 73
Arraial do Cabo 1755 93
Cabo Frio 15647 903
Iguaba Grande 5581 147
São Pedro da Aldeia 7057 290
Saquarema 4655 243
Últimas notícias sobre a COVID-19
CRIME CONTRA A ORDEM ECONÔMICA

Procon autua três supermercados e descarta mais de 450 kg de produtos em São Pedro da Aldeia

Operação foi realizada nesta quinta-feira (4) em parceria com a Polícia Civil

04 fevereiro 2021 - 19h35Por Redação

O Procon São Pedro da Aldeia fiscalizou três supermercados do município, nesta quinta-feira (4), durante uma operação realizada em parceria com a Polícia Civil. Ao todo, a ação descartou mais de 450 Kg de produtos, entre carnes, embutidos, frios e outros itens. Irregularidades foram encontradas nos três estabelecimentos visitados durante a operação. 

As equipes analisaram, em cada produto, a exposição correta e clara das informações, como data de validade e de fabricação, assim como o armazenamento adequado das mercadorias e se os produtos estavam próprios para consumo. Em um dos estabelecimentos, os fiscais flagraram 137 unidades de panetone que tiveram as etiquetas informativas reaplicadas com o objetivo de estender o prazo de validade. A data de fabricação havia sido alterada de 23 de dezembro de 2020 para 20 de janeiro de 2021. 

O Coordenador executivo do Procon de São Pedro da Aldeia, Marcio Lisboa, detalhou a variedade de produtos em que irregularidades foram encontradas. "Flagramos bandejas de goiabada com validade vencida, carnes impróprias para consumo, bolos e pães sem data de fabricação, coxas de frango sem especificações e até panetones com etiquetas alteradas para estender o período de validade", disse. 

Os responsáveis pelos estabelecimentos foram encaminhados à Delegacia de São Pedro da Aldeia (125 DP) e responderão por crimes contra a ordem tributária, econômica e contra a relação de consumo (Lei Nº 8.137 de 1990). De acordo com a delegada, Camila Pegorim, o responsável pelo setor que alterou as etiquetas dos panetones ficará detido. "O crime contra o consumidor foi doloso, intencional. A pena varia de 2 a 5 anos e multa, não cabendo fiança em sede policial por conta da pena máxima, por isso ele precisará aguardar a decisão do juiz", explicou.

Os estabelecimentos têm o prazo de 15 dias para apresentar defesa.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.