Assine Já
sexta, 18 de setembro de 2020
Região dos Lagos
30ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7483 Óbitos: 397
Confirmados Óbitos
Araruama 1452 99
Armação dos Búzios 466 10
Arraial do Cabo 201 13
Cabo Frio 2467 130
Iguaba Grande 622 34
São Pedro da Aldeia 1153 50
Saquarema 1122 61
Últimas notícias sobre a COVID-19
Feira Forte

Presidente da Associação Comercial diz que atual modelo da Feira Forte é 'insustentável'

Eduardo Rosa faz balanço de evento, que deve ter várias mudanças para 2018

08 julho 2017 - 13h21Por Rodrigo Branco | Foto: Horácio Palma
Presidente da Associação Comercial diz que atual modelo da Feira Forte é 'insustentável'

Rosa (com o microfone, ao centro) disse que evento teve mais 50 mil visitantes

Considerado o principal evento para o comércio de Cabo Frio, a Feira Forte será reavaliada para o ano que vem. O presidente da Associação Comercial e Industrial (Acia), Eduardo Rosa de Andrade, acaba de receber o balanço financeiro da empresa terceirizada que organizou o evento, mas, de antemão, afirmou que pretende remodelar o atual formato.

Eduardo manifestou insatisfação pelo fato de que muitos dos estandes montados no evento eram de empresas de fora da cidade. Para 2018, o empresário disse que o comércio local terá mais espaço em relação à edição deste ano. Até como forma de reduzir os altos custos de montagem da feira, o presidente da Acia afirma que a ideia é descentralizar a realização do evento, hoje realizado em um espaço na Praia do Siqueira.

– Montar uma feira naquele modelo de centro de convenções está insustentável. Está tudo muito caro. A ideia é privilegiar os centros comerciais de Cabo Frio: Praça Porto Rocha, Largo de Santo Antônio, Praça de São Cristóvão, Jardim Esperança. Queremos desenvolver um trabalho de fomento de vendas nesses locais durante uma semana, com sorteio de brindes – planeja.

Porém, no geral, a avaliação feita do evento foi considerada ‘boa’ por Eduardo. Segundo ele, cerca de 75% dos participantes aprovaram a Feira Forte 2017. Contando todos os dias de evento, o público foi de mais de 50 mil pessoas, entre pagantes e não-pagantes, de acordo com a Acia. 

Por outro lado, ele reconhece que houve falhas, principalmente, na duplicidade de cobrança no valor do ingresso, alvo de inúmeras reclamações. Quanto à organização terceirizada, tanto a empresa que realizou, como a Acia, vão fazer uma avaliação. Nesse sentido, não está descartado que a associação traga para si a função de realizar a edição do ano que vem.

– É difícil manter aquela estrutura de pé. Tudo tem que ser revitalizado. A economia mudou, a forma de comprar mudou, o shopping é uma realidade, isso atrapalha muito qualquer investimento em feira que você venha a fazer. São fatores que temos que pesar na balança para fazer uma feira que privilegie o comércio de Cabo Frio – conclui.