Assine Já
domingo, 27 de setembro de 2020
Região dos Lagos
31ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Presidente assina contrato com Butantan para vacina contra dengue

Presidente assina contrato com Butantan para vacina contra dengue

Investimentos iniciais serão de R$ 100 milhões, mas podem chegar a R$ 300 milhões

22 fevereiro 2016 - 15h15

A presidenta da República Dilma Rousseff assina na tarde desta segunda-feira (22) contrato entre o Ministério da Saúde e o Instituto Butantan para o desenvolvimento de vacina contra a dengue. Inicialmente serão investido R$ 100 milhões para os dois primeiros anos do estudo, mas o valor pode chegar a R$ 300 milhões. A estimartiva é de que a vacina esteja disponível em 2018.

O estudo será realizado pelo Instituto Butantan, que é vinculado ao governo de São Paulo. Os investimentos, de acordo com o Ministério da Saúde pode ser maior devido a previsão de recursos também do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (R$ 100 milhões), por meio de um contrato da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), com mais R$ 100 milhões.

Testes – O montante inicial servirá para financiar a terceira e última fase de testes clínicos da vacina em voluntários, que teve início hoje. Neste primeiro dia, dez pessoas serão vacinadas contra a dengue e esta etapa funcionará para comprovação da eficácia da vacina.

Dois em cada três voluntários irão receber a vacina, enquanto o restante receberá placebo, uma substância com as mesmas características da vacina, mas sem o vírus, ou seja, sem efeito. Nem a equipe médica nem os participantes saberão se receberam vacina ou placebo. O objetivo é descobrir se quem tomou a vacina ficou protegido e se quem tomou placebo adquiriu a doença.

Recrutamento – Em São Paulo, 1,2 voluntários foram recrutados para o estudo inicial pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), maior complexo hospitalar da América Latina. A unidade será um dos 14 centros credenciados pelo Butantan para os testes, que devem envolver 17 mil participantes de 13 cidades do país. A estimativa é de que o teste clínico dure um ano e que a vacina esteja disponível no país a partir de 2018.

A vacina contra a dengue tem potencial para proteger contra os quatro vírus da doença com uma única dose. A vacina é produzida com vírus vivos, mas geneticamente enfraquecidos. Com os vírus vivos, a resposta imunológica é maior, mas a forma é atenuada, não há potencial para provocar a doença. Os participantes vão ser acompanhados por um período de cinco anos para se verificar a duração da proteção oferecida pela vacina.

 

*Com informações da Agência Brasil.