Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
gripe suína

Preocupação com 'gripe suína' faz álcool em gel sumir das farmácias de Cabo Frio

Por outro lado, números da dengue, zika e chikungunya crescem e alertam as autoridades

13 abril 2016 - 10h57Por Rodrigo Branco
Preocupação com 'gripe suína' faz álcool em gel sumir das farmácias de Cabo Frio

O inimigo público número um da saúde pública é minúsculo, tem cerca de 0,5 centímetro, mas tem provocado estrago grande em Cabo Frio e nas demais cidades da região. O mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus da dengue, da zika e da chikungunya segue causando problemas em larga escala para a população, enchendo as emergências dos hospitais.

De acordo com dados da secretaria municipal de Saúde de Cabo Frio, apenas em 2016, foram computados 632 casos de dengue, 403 de zika e 482 de chikungunya. Na vizinha Arraial do Cabo, pelos dados da última semana epidemiológica, que se encerra hoje são 471 notificações de dengue; 256 de zika e nehum de chikungunya. Em São Pedro, mesmo ainda aguardando a confirmação, os números de notificações também são elevados: dengue (350), zika (368) e chikungunya (18).

Enquanto as prefeituras prometem intensificar as ações preventivas e de combate, os municípios, principalmente em seus bairros mais afastados, sofrem com as carências no recolhimento de lixo e na capina de áreas comuns, condições que favorecem a proliferação do inseto. Arraial e São Pedro, inclusive, já foram considerados em situação de epidemia de dengue pela secretaria estadual de Saúde, por conta da relação entre o número de ocorrências e de habitantes dessas cidades.

Outra preocupação, esta invisível e que ameaça avançar Brancode forma silenciosa, é a possibilidade de novo surto da gripe suína, causada pelo vírus H1N1. A última vez que o Brasil teve uma epidemia do gênero foi em 2009. Os números ainda não confirmam a preocupação – não houve casos registrados na região – mas as informações sobre algumas ocorrências em outros estados do Brasil acenderam o sinal amarelo em Cabo Frio, onde algumas mudanças de hábito já são notadas. 

Com a facilidade de propagação do vírus por meio de secreções como a saliva, aumentaram os cuidados com a higiene e a procura por produtos como o álcool gel disparou (veja no quadro ao lado).

Por recomendação da paróquia Nossa Senhora de Assunção, por exemplo, em um dos momentos mais importantes da missa, a comunhão, os fiéis não recebem mais a hóstia na boca e sim nas mãos, diminuindo a possibilidade de contaminação. Por sua vez, nas escolas, campanhas de conscientização de pais e alunos estão sendo realizadas.

– Estamos promovendo uma conscientização interna, por meio de palestras. Um médico infectologista vem na próxima semana falar com os pais e alunos. Também colocamos cartazes e avisos pela escola – disse o diretor do Canto dos Pássaros, André Rocha.

Apesar dos cuidados, o sanitarista Beto Nogueira diz que não há motivo para alarde e sim para prevenção.

– É preciso lavar as mãos com mais frequência, se alimentar melhor e, ao espirrar, colocar o antebraço à frente da boca – diz.

Farmácias buscam reposição do produto

Vislumbrando a possibilidade de uma nova epidemia de gripe suína, como a de sete anos atrás, os cabofrienses promoveram uma verdadeira corrida às farmácias da cidade para a compra de potes de álcool gel, produto recomendado para o combate do vírus H1N1. A Folha pesquisou em vários estabelecimentos do tipo por toda a cidade e, na maioria deles, o produto está em falta.

– Tivemos que pedir mais a uma distribuidora de São Paulo para chegar só na sexta – informou a atendente de uma loja em São Cristóvão.ção do vírus por meio de secreções como a saliva, aumentaram os cuidados com a higiene e a procura por produtos como o álcool gel disparou (veja no quadro ao lado).

Dicas do especialista

Para o sanitarista Beto Nogueira a propagação do vírus influenza H1N1 não é maior que a de outros tipos de gripe. No caso da gripe suína, ela se dá por meio de gotículas expelidas por meio de secreções com tosse e espirro. 

– A boca e o nariz são a porta de entrada do vírus – explica.

De acordo com o especialista, a gripe suína tem diferenças sutis em relação a uma gripe comum e ao resfriado. O H1N1 se caracteriza por repentina febre alta (acima de 39º), forte dor de garganta e congestão ocular. 

– O ideal é não fazer o diagnóstico e procurar um médico. Melhorar a alimentação, beber muito líquido e não se automedicar – ensina Beto Nogueira.

Na Paróquia Nossa Senhora Assunção, fiéis estão recebendo hóstia nas mãoes e não na boca (Rodrigo Branco)