Assine Já
sábado, 23 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
prefeitura

Prefeitura promete dar fim a 'bailes funk' da Meira Júnior

Moradores têm se queixado de barulho e confusão no local

25 abril 2017 - 07h51Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Prefeitura promete dar fim a 'bailes funk' da Meira Júnior

Praticamente nada mudou depois que a Folha publicou reportagem no começo do mês denunciando o pro­blema do som alto que vem dos ba­res da Rua Meira Junior, no centro, e de carros parados ao longo da via. Na verdade, segundo relatos da vi­zinhança, desde então a situação até piorou. Ciente da questão, a Prefei­tura de Cabo Frio promete resolver a questão em breve.

O secretário de Desenvolvimento da Cidade, Cláudio Bastos, afirmou ontem que está buscando ‘ações definitivas’ junto com o Ministério Público (MP) e a Justiça. Segundo Bastos, quem não se adequar pode ter o alvará de funcio­namento cassado e ser fechado.

– O som extrapola. Já existe um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para inibir a poluição sonora em Cabo Frio e um inquérito civil – resumiu Bastos, que tem se encontra­do com frequência com a promotora Carolina Maria Gurgel Senra, da 1ª Promotoria de Tutela Coletiva.

Na madrugada do último sábado, em meio ao feriadão de Tiradentes, dezenas de pessoas fecharam a via e promoveram uma espécie de ‘bai­le funk’ ao ar livre, o que levou ao desespero os moradores dos prédios vizinhos. Amedrontados, todos os ouvidos pela reportagem preferiram o anonimato. Eles criaram uma co­missão para denunciar não apenas a veiculação das músicas de teor eró­tico, mas também as brigas e o alto consumo de álcool e de drogas que, segundo o grupo, são vendidas ali mesmo. Os relatos são de que, desta vez, a música não saiu dos estabele­cimentos, mas como eles funcionam vendendo bebidas alcóolicas até altas horas da madrugada, isso acaba ali­mentando o movimento na rua.

– Há muitos idosos que moram por aqui. Duas famílias já saíram por causa da confusão. A gente só quer ter o direito de poder dormir – desa­bafa um morador.

Uma mulher que vive nas proxi­midades e preferiu não se identificar com medo de represálias, chegou a gravar da janela um vídeo com a movimentação, que está publicado no Facebook da Folha. Somente no perfil dela, onde as imagens também foram divulgadas, foram mais de 26 mil visualizações até o fechamento desta reportagem e centenas de co­mentários, vários deles com xinga­mentos e comentários irônicos de jo­vens que aparentemente frequentam as ‘festas’. Reclamando da inércia das autoridades, ela pede providên­cias imediatas.

– Tenho medo do que pode acon­tecer no próximo fim de semana se alguma coisa não for feita. Queremos uma audiência com o comandante da PM. É horrível morarmos no centro de Cabo Frio, mas ao mesmo tempo estarmos ilhados – comenta.

Procurado, o comandante do 25º Batalhão da Polícia Militar, tenente-coronel André Henrique de Oliveira, afirmou que o problema é de respon­sabilidade do poder público munici­pal e que a PM serve como apoio às operações.