Assine Já
quarta, 27 de outubro de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52450 Óbitos: 2151
Confirmados Óbitos
Araruama 12382 441
Armação dos Búzios 6530 73
Arraial do Cabo 1736 93
Cabo Frio 14792 880
Iguaba Grande 5486 140
São Pedro da Aldeia 6993 289
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
VIROU CASO DE POLÍCIA

Prefeitura de São Pedro afasta secretária-adjunta de Cultura após caso de intolerância religiosa

Segundo proponentes, Edlúcia Marques disse que não reconhecia manifestações de matriz africana como cultura

08 dezembro 2020 - 20h23Por Redação

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia afastou do cargo nesta terça-feira (8) a secretária-adjunta de Cultura, Edlúcia Marques, após um caso de intolerância religiosa, ocorrido na noite de segunda (7), durante uma sessão pública do edital ‘Cultura Viva’, para a liberação de recursos referentes à Lei Aldir Blanc para artistas do município. 

Proponente do projeto ‘Cultura Afro-Brasileira: A Grandiosidade da diversidade no Brasil’, Juliane Carvalho disse que Edlúcia afirmou que não reconhecia manifestações de matriz africana como atividades culturais. A agora ex-secretária-adjunta fazia parte da banca de avaliadores responsáveis pelos pareceres do projeto.

Frequentadora de um centro religioso de matriz africana, Juliane disse que não precisava do ‘reconhecimento’ da  então secretária-adjunta, pois isso era feito pela lei. Segundo ela, Edlúcia retrucou dizendo que daria ‘zero’ para o projeto, mesmo após os colegas de banca terem decidido pelo deferimento. Advertido por um colega que a nota deveria ter uma justificativa plausível, Edlúcia teria dito: “Pode vir, pode jogar a macumba”. O clima na sessão pública foi de indignação após a frase. 

– A gente que é de matriz africana é sempre atacado. A gente tem que estar sempre brigando, lutando por uma coisa que é natural – desabafou Juliane, em vídeo postado nas redes sociais.

Na tarde desta terça (8), a Prefeitura emitiu nota sobre o afastamento de Edlúcia, cujos votos nos pareceres foram anulados. 

“A Prefeitura lamenta o ocorrido ontem (07/12) na, sessão pública para julgamento das propostas culturais do Prêmio São Pedro da Aldeia de Cultura Viva, na Casa da Cultura, e repudia qualquer tipo de discriminação, se solidarizando com todos que se sentiram ofendidos pelo comportamento da servidora. A gestão municipal reforça que políticas públicas igualitárias devem ser baseadas em princípios de respeito e valorização da diversidade”, diz o texto. 

Pouco depois, a Prefeitura postou um vídeo em que Edlúcia Marques se retrata, embora não se refira diretamente aos participantes do projeto.

– Venho aqui pedir desculpas a quem eu possa ter magoado e constrangido com alguma das minhas falas. Nesse momento, o que importa é a retratação, o pedido de desculpas. Espero que não vá para o coração. Em momento nenhum, eu quis magoar ou constranger alguém – disse.

O caso foi parar na delegacia (125ª DP), onde um registro de ocorrência foi registrado. As integrantes do projeto afirmam que irão ‘até o fim’. As investigações estão em andamento e testemunhas serão ouvidas, além da própria Edlúcia.

No começo da noite desta terça, a Prefeitura divulgou uma lista preliminar com os projetos deferidos e o de Juliane está entre eles. Ao todo, 59 projetos culturais foram inscritos na seleção, que vai conceder prêmios de R$ 5 mil a R$ 28 mil para projetos promovidos por agentes culturais do município.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.