Assine Já
terça, 28 de setembro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51480 Óbitos: 2097
Confirmados Óbitos
Araruama 12222 438
Armação dos Búzios 6365 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14367 844
Iguaba Grande 5407 140
São Pedro da Aldeia 6899 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
lares

Prefeitura de Cabo Frio promete manter aberto Lar da Cidinha

Abrigo para 20 idosos corria risco de fechar por falta de funcionários, que aderiram à greve da Saúde

31 outubro 2016 - 20h34Por Gabriel Tinoco I Foto: RC24h
Prefeitura de Cabo Frio promete manter aberto Lar da Cidinha

A Prefeitura de Cabo Frio prometeu manter aberto o Lar da Cidinha, instituição que cuida de 20 idosos no Jardim Esperança. A secretaria de Assitência Social se pronunciou depois que foi divulgada a informação do fechamento do abrigo, uma vez que os funcionários concursados da Secretaria de Saúde que atuam na casa aderiram à greve pelos atrasos nos meses de agosto, setembro e outubro. 

De acordo com a secretaria, a Prefeitura 'sabe a importância e não permitirá que o Lar da Cidinha encerre as atividades e interrompa um serviço essencial'. O Lar da Cidinha, que pertence à Paróquia de Nossa Senhora da Assunção, era mantido através de doações. Ao todo, o asilo contava com 39 funcionários – sendo 14 deles técnicos de enfermagem, mas sete aderiram à paralisação. Em 2009, um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) entre Ministério Público e Prefeitura obrigou o governo a ceder funcionários à instituição.

Atualmente, o Lar da Cidinha abriga idosos entre 60 e 93 anos. A coordenadora da instituição, Maria das Dores Monteiro da Silva, a ‘Dorinha’, no entanto, não perde as esperanças.

– Fiquei sem sete profissionais da Saúde. Sem esses profissionais, fica difícil cuidar de 20 idosos. Sobre remédios, fraldas, podemos manter tudo isso através de doações. Disso a gente corre atrás. Nosso problema é a questão do pessoal que não trabalha por conta da falta de pagamento. Os idosos correm risco. Se o idoso cair  e se machucar, toda a responsabilidade recai sobre mim e a Igreja Católica – desabafou a coordenadora da instituição, desolada, antes de saber da notícia de que a instituição não fechará as portas.

Segundo a coordenadora, oito idosos não têm família. O Lar da Cidinha funciona há 21 anos.

Lar Esperança também sem apoio

Outra instituição filantrópica não teve a mesma sorte e encerrou as atividades devido a problemas com o governo. O ‘Lar Esperança’, casa de apoio a pacientes com HIV, na Rua Antônio Duarte no Braga, sem receber a subvenção da Prefeitura, acumulou uma dívida de R$ 100 mil. A unidade, que fechou as portas em março, abrigava 16 pessoas e atendia 45 famílias cadastradas na região.

O governo, inclusive, depositou somente três parcelas de 12 no ano passado. Em 2016, nenhuma foi paga. A presidente Cida Porto descarta qualquer possibilidade de retorno.

– Sinto um pesar muito grande. A gente fica sabendo que tem pessoas sem ter onde ficar. O Lar da Esperança era a única referência da Região dos Lagos. Além disso, havia todo um trabalho de ajuda material, psicológica e fisioterápica. Tudo o que eles tinham, perderam. Não podem contar com a saúde pública, porque não há atendimento nem para o restante da população, quem dirá para este segmento – afirma.

No Lar da Esperança, 11 funcionários abdicaram do 13º salário no ano passado para manter a instituição de pé. A direção ainda tentou fazer eventos e campanhas de arrecadação, mas de nada adiantou.