Assine Já
domingo, 24 de outubro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52262 Óbitos: 2141
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6516 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14721 876
Iguaba Grande 5469 140
São Pedro da Aldeia 6984 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
ELEFANTE BRANCO

Prefeitura de Cabo Frio estuda o que fazer com Praça das Águas

Espaço inaugurado em 2013 encontra-se em estado precário de manutenção

18 setembro 2021 - 10h04Por Redação

O olhar de encantamento do turista com a paisagem paradisíaca da Praia do Forte não consegue esconder o desapontamento de ver a degradação de um espaço outrora suntuoso em frente a um dos principais cartões-postais da cidade. A demolição e a retirada da estrutura de pedras, em razão da falta de segurança, são mais um capítulo da agonia da Praça das Águas, inaugurada com pompa há menos de oito anos. A área faz parte de um complexo urbanístico que custou R$ 13 milhões aos cofres do município.

O espaço, que já teve direito a iluminação especial, sucumbiu ao longo dos anos, no ritmo do descaso, e hoje apresenta ripas de madeira soltas, rachaduras e vidros quebrados. Com a retirada da estrutura que imitava uma pedreira, onde moradores e turistas posavam para tirar fotos, a Praça se torna ainda mais uma pálida lembrança do que já foi. Para evitar acidentes, a Prefeitura isolou a área com fita e termina de retirar os escombros da demolição. O maquinário foi retirado e levado para a Morada do Samba. 

Água mesmo não tem mais no tanque outrora cheio de peixinhos desde 2017, por decisão da gestão da época, que alegou haver vazamentos no local que geravam gastos de R$ 92 mil mensais. A situação surpreendeu um grupo de turistas de Brasília que, mesmo com a situação, se animava a fazer fotos no local.

– A gente acha lastimável porque se trata de um lugar muito bonito. Saber que aqui já foi uma Praça das Águas, então a gente fica na imaginação. É estranho uma Praça das Águas sem água – pondera Iolanda Silva, com a aprovação das amigas.

Procurada pela reportagem, a Prefeitura informou que uma obra no local está no cronograma de revitalização, que está sendo desempenhado conforme a disponibilidade de recursos. Enquanto o poder público estuda uma solução para o ‘elefante branco’ á beira-mar, o morador Wallace Perotti sugere a criação de área pública arborizada.

– O ideal seria voltar ao que era antes, mas impossibilitado a ser o que era, uma praça bem cuidada, em frente ao mar, com árvores e plantas, é muito bem-vinda – comentou.

O também morador Edson de Castro lamentou o desperdício de recursos, independentemente da destinação a ser dada ao local. 

– É triste ver um cartão postal da cidade ser destruído. Gastou-se muito dinheiro para deixar isso jogado assim. Acho que o governo tem capacidade para deixar o local como era – disse, em sugestão pouco provável.

Estátuas – Um capítulo à parte no processo de destruição da Praça diz respeito às estátuas do ex-jogador de futebol Leandro e do surfista Victor Ribas. Depois de sucessivos e atos de vandalismo, as esculturas foram retiradas em 2019.

Recentemente, já na gestão do atual prefeito José Bonifácio (PDT), as estátuas foram apresentadas e enviadas para restauração.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.