Assine Já
terça, 09 de março de 2021
Região dos Lagos
26ºmax
22ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 27363 Óbitos: 943
Confirmados Óbitos
Araruama 6957 183
Armação dos Búzios 3264 33
Arraial do Cabo 883 38
Cabo Frio 7568 362
Iguaba Grande 2584 58
São Pedro da Aldeia 3610 130
Saquarema 2497 139
Últimas notícias sobre a COVID-19
cassação

Prefeito de Arraial e vice estão impedidos de concorrer a cargo eletivo por oito anos

Andinho diz que ele e o seu vice irão recorrer da sentença

08 julho 2014 - 15h40Por Sérgio Meirelles
 
Prefeito de Arraial e vice estão impedidos de concorrer a cargo eletivo por oito anos

A Justiça Eleitoral de Arraial do Cabo julgou procedente o pedido de cassação de mandato do prefeito Wanderson Cardoso de Brito (PMDB), o Andinho, e do seu vice Reginaldo Mendes Leite (PT). Além da perda dos cargos, os dois mandatários estão proibidos de concorrer a qualquer cargo eletivo por oito anos. A juíza Juliana Gonçalves Figueira Pontes, da 146ª Zona Eleitoral, considerou que ambos cometeram abuso de poder político e captação ilícita de votos durante as eleições de 2012. Até o fim da tarde de ontem, o prefeito e o vice permaneciam em seus postos.

A decisão da justiça eleitoral foi proferida no dia 11 de junho último, mas somente nesta terça-feira (8) os advogados de Andinho e Mendes tomaram conhecimento do despacho da juíza Juliana Gonçalves. Andinho antecipou que ele e o seu vice irão recorrer da sentença. A ação de crime eleitoral contra o prefeito e o vice foi impetrada em 2012 pela coligação PDT e PP. De acordo com Fabrício Abílio, um dos advogados da aliança partidária, os dois atuais líderes foram condenados por autorizar a construção de casas em área de preservação ambiental e por homologar mais de três mil imóveis por intermédio do lançamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), no cadastro da Prefeitura.

– Só em 2011 foram feitos mais de três mil lançamentos de IPTU. Em agosto de 2012, eles distribuíram os carnês do imposto aos moradores do bairro Caiçara, uma das áreas invadidas – relatou Abílio.

O prefeito Andinho garante que não houve nenhuma irregularidade em sua ação e considerou que ela foi legítima, pois fazia parte de um programa de regularização fundiária que funcionava dois anos antes do pleito eleitoral de 2011.

– Estou muito tranquilo quanto a isso. Vamos recorrer da sentença e provar que somos inocentes. Não há dúvidas de que se trata de uma ação para desestabilizar o meu governo – finalizou o prefeito.