Assine Já
segunda, 27 de setembro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
vices

Prefeitáveis escondem jogo quando o assunto é vice

Pré-candidatos têm três meses para estudar composições de chapas

04 maio 2016 - 09h54Por Rodrigo Branco
Prefeitáveis escondem jogo quando o assunto é vice

VAI RIR POR ÚLTIMO? – Valdemir está sendo cotado para companheiro de chapa de Janio Mendes (Arquivo)

Com o braço à frente dos olhos, a criança conta até dez ou vinte, esperando os colegas se acomodarem em alguma fresta e depois sai em disparada para tentar encontrá-los. Assim é a tradicional brincadeira de esconde-esconde.

Bem menos ingênuo que o passatempo infantil é o que acontece agora, passado o período de formação das nominatas dos partidos para as eleições municipais. Neste momento, fervilham as conversas em torno dos possíveis companheiros de chapas dos pré-candidatos já conhecidos: Alair Corrêa (PP); Marquinho Mendes (PMDB); Janio Mendes (PDT); Paulo César (PSDB); Adriano Moreno (Rede) e Cláudio Leitão (PSOL).

Nomes e mais nomes estão sendo ventilados com a mesma facilidade que são descartados e o discurso é de que o escolhido seja alguém preocupado com o ‘bem de Cabo Frio’. Mas, no geral, a tática mais usada mesmo é o despiste.

– Não há motivo nenhum para agonia. Temos tempo de sobra para escolher o vice, maio, junho, julho. A convenção pode acontecer até 5 de agosto, portanto, este é o prazo para a definição. O perfil de vice que quero é de um empresário bem sucedido e que tenha ficha limpa – argumenta o tucano Paulo César, cujo nome vem sendo sondado para uma frente de oposição ao atual prefeito Alair Corrêa, juntamente com Janio e Adriano.

Por sua vez, o vereador pelo partido de Marina Silva, que tem sido insistentemente ligado a Janio, reafirmou que prosseguirá até o fim da disputa. Ele diz que já conta com apoio de alguns pequenos partidos e que agora conversa com outras lideranças.

– Minha pré-candidatura é sólida, não volto atrás. Tenho conversado com outros candidatos porque é um princípio básico da educação que eu trago de casa. Não sou o senhor da razão – diz Adriano, que descarta que seu ‘vice ideal’ seja ‘decorativo’, ou seja, sem voz ativa no governo.

(*) Leia a matéria na íntegra na edição impressa desta quarta-feira da Folha dos Lagos.