Assine Já
domingo, 28 de novembro de 2021
Região dos Lagos
28ºmax
20ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53350 Óbitos: 2180
Confirmados Óbitos
Araruama 12493 447
Armação dos Búzios 6571 73
Arraial do Cabo 1754 93
Cabo Frio 15299 896
Iguaba Grande 5549 146
São Pedro da Aldeia 7043 290
Saquarema 4641 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
MEMÓRIA

Prédio da Câmara Municipal de Cabo Frio guarda parte significativa de história da cidade

Espaço hoje questionado sobre segurança sanitária na pandemia, imóvel já abrigou Prefeitura, cadeia pública e até animais abandonados

20 junho 2021 - 12h06Por Rodrigo Branco e Moacir Cabral

O prédio que abriga a Câmara Municipal de Cabo Frio, na Avenida Nossa Senhora Assunção, é um endereço conhecido da população, atualmente impedida de frequentar a 'Casa do Povo' por causa da pandemia de Covid-19. Palco de discursos e decisões que impactaram diretamente na história do município, o imóvel hoje tem a segurança sanitária questionada para abrigar as sessões legislativas, mas guarda em suas paredes as memórias de uma parcela considerável da vida pública da cidade.

A história legislativa de Cabo Frio data de 1615 quando as sessões da Câmara eram realizadas na casa de seus integrantes. O primeiro prédio da Câmara Municipal de Cabo Frio foi erguido entre 1660 e 1662, na antiga Rua Direita, atual Érico Coelho, uma casa de dois pavimentos. O atual prédio, na Avenida Assunção, só entra na história, a partir de 1873, quando o imóvel foi comprado.

O professor e historiador José Francisco de Moura atestou a importância do prédio para a trajetória de Cabo Frio. Segundo ele, o local não recebeu apenas as atividades legislativas.

– Aquele prédio foi fundamental para a história da cidade porque ele também abrigou a Prefeitura. Num determinado momento, ele foi a Prefeitura, a Câmara Municipal e atrás dele, a cadeia pública. Num setor de pátio, ficavam os animais apreendidos na cidade, que ficavam soltos. Esse prédio se tornou da Câmara e da Prefeitura, no início do século 20. Tenho uma foto de uma reunião, na década de 1910, em que tinha atrás a foto do Quintino Bocayuva, que era o governador. E uma foto de quando o avô de Hilton Massa [Francisco Ribeiro Massa] foi prefeito, em 1928 – afirma o professor Chicão, um dos autores do livro ‘História de Cabo Frio – dos sambaquieiros aos cabo-frienses (c. 3.720 a. C. – 2020)’, da Sophia Editora.

Antes do desenvolvimento urbano de Cabo Frio, não havia o arruamento da cidade e, em algumas imagens, segundo o historiador, é possível ver a atual Avenida Nilo Peçanha, ainda em terra batida, com tráfego apenas de pessoas e cavalos.

No detalhe, matéria da Folha sobre a Câmara, de março de 1991

Histórias de assombrações habitam imaginário popular

Essa é do fundo do baú. Em 14 de março de 1991, a Folha publicou reportagem sobre fantasmas na Câmara de Cabo Frio. Calma. Antes que alguém se engane, não foi uma denúncia sobre ‘gasparzinhos’ que recebiam sem bater ponto. O texto assinado pela jornalista Lourdes Mano narrou os causos de assombração no prédio, que, inclusive, já serviu de cadeia. As histórias assustavam e tomavam o imaginário de servidores e visitantes. Tinha até funcionário que, após o expediente, saía correndo de medo pra não ter de ficar sozinho no local de trabalho. É mole? E aí que, num piscar de olhos, trinta anos se passaram.

De lá para cá, apesar de um possível calafrio ou outro, o trabalho do Legislativo cabo-friense prossegue sem notícias de relevantes episódios sobrenaturais. Mistério dos grandes continua sendo o seguinte: por que, a cada legislatura, a Câmara renova seu nada nobre título de Casa do Silêncio? É que, quando se fala em transparência, sempre tem vereador tremendo todo e até se banhando com água benta.

– Questão de ordem!

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.