Assine Já
quarta, 30 de setembro de 2020
Região dos Lagos
28ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8402 Óbitos: 437
Confirmados Óbitos
Araruama 1657 103
Armação dos Búzios 500 10
Arraial do Cabo 252 15
Cabo Frio 2765 149
Iguaba Grande 695 37
São Pedro da Aldeia 1353 54
Saquarema 1180 69
Últimas notícias sobre a COVID-19
pré-vestibular social

Pré-Vestibular Social de São Pedro faz paralisação neste sábado

Tutores não recebem do Governo do Estado há dois meses

08 maio 2015 - 13h40
Pré-Vestibular Social de São Pedro faz paralisação neste sábado

Os tutores do Pré-Vestibular Social (PVS) da Fundação Centro de Ciências e Ensino Superior à Distância (Cecierj), ligada à Secretaria Estadual de Educação, farão uma paralisação neste sábado pelos dois meses sem receber as bolsas-auxílio, cujos valores variam de R$ 450 a R$ 825, dependendo do número de turmas. Somente em Sõ Pedro da Aldeia, 360 alunos de baixa renda serão prejudicados com a falta das aulas.

Em todo o Estado, são 450 professores bolsistas e 20 mil estudantes, divididos em 54 polos, inclusive em Saquarema, Macaé e Campos. Uma nova assembleia acontece também neste sábado para definir os rumos do movimento.

De acordo com a professora de Química Leyza Buarque Lucas, que dá aulas pelo projeto há sete anos e hoje trabalha na Escola do Legislativo, na capital, o problema estava sendo anunciado desde o início do ano. Para a mestranda em Química, a situação é o ‘retrato da precarização da Educação pelo Estado’.

– Começamos a trabalhar na primeira semana de março, a partir do dia 7, e desde então estamos sem pagamento. Muitos tutores têm que arcar com altas despesas, pois dão aulas em outros municípios, como São Francisco do Itabapoana e São Fidélis, entre outros. Com o imenso atraso da bolsa não há fonte nenhuma para cobrir os gastos. A ideologia do projeto é maravilhosa e trabalhamos com pessoas incríveis, sabemos que fazemos realmente a diferença na vida desses alunos. Porém, a situação está insustentável e não temos como continuar dando aula, pois os custos já extrapolaram as possibilidades – alegou.