Assine Já
terça, 14 de julho de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
15ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 310 Confirmados: 3455 Óbitos: 200
Suspeitos: 310 Confirmados: 3455 Óbitos: 200
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 279 8
Arraial do Cabo 9 88 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 14 257 20
São Pedro da Aldeia 4 537 20
Saquarema 9 599 35
Últimas notícias sobre a COVID-19
pré-vestibular social

Pré-Vestibular Social de São Pedro faz paralisação neste sábado

Tutores não recebem do Governo do Estado há dois meses

08 maio 2015 - 13h40
Pré-Vestibular Social de São Pedro faz paralisação neste sábado

Os tutores do Pré-Vestibular Social (PVS) da Fundação Centro de Ciências e Ensino Superior à Distância (Cecierj), ligada à Secretaria Estadual de Educação, farão uma paralisação neste sábado pelos dois meses sem receber as bolsas-auxílio, cujos valores variam de R$ 450 a R$ 825, dependendo do número de turmas. Somente em Sõ Pedro da Aldeia, 360 alunos de baixa renda serão prejudicados com a falta das aulas.

Em todo o Estado, são 450 professores bolsistas e 20 mil estudantes, divididos em 54 polos, inclusive em Saquarema, Macaé e Campos. Uma nova assembleia acontece também neste sábado para definir os rumos do movimento.

De acordo com a professora de Química Leyza Buarque Lucas, que dá aulas pelo projeto há sete anos e hoje trabalha na Escola do Legislativo, na capital, o problema estava sendo anunciado desde o início do ano. Para a mestranda em Química, a situação é o ‘retrato da precarização da Educação pelo Estado’.

– Começamos a trabalhar na primeira semana de março, a partir do dia 7, e desde então estamos sem pagamento. Muitos tutores têm que arcar com altas despesas, pois dão aulas em outros municípios, como São Francisco do Itabapoana e São Fidélis, entre outros. Com o imenso atraso da bolsa não há fonte nenhuma para cobrir os gastos. A ideologia do projeto é maravilhosa e trabalhamos com pessoas incríveis, sabemos que fazemos realmente a diferença na vida desses alunos. Porém, a situação está insustentável e não temos como continuar dando aula, pois os custos já extrapolaram as possibilidades – alegou.