Assine Já
quinta, 28 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
32ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 22908 Óbitos: 767
Confirmados Óbitos
Araruama 5567 166
Armação dos Búzios 2989 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 6139 264
Iguaba Grande 2043 50
São Pedro da Aldeia 3225 107
Saquarema 2294 117
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Praia do Forte fica ‘menor’ para o próximo verão

Alta temporada terá redução de mesas, cadeiras e de, pelo menos, 40% de licenças 

15 outubro 2019 - 20h17
Praia do Forte fica ‘menor’ para o próximo verão

No que depender do Ministério Público Federal, o superpovoamento nas areias da Praia do Forte tem data para acabar e ela coincide com o começo da alta temporada. O assunto foi o principal de uma reunião de cerca de seis horas envolvendo representantes do poder público, de associações de vendedores ambulantes, de donos de barracas e da ONG Mar Sem Lixo. Além da organização da faixa de areia, a limpeza foi outro tema debatido à exaustão no encontro, antecipado pela Folha na edição de ontem. 

Entre a Prefeitura de Cabo Frio e a Procuradoria da República em São Pedro da Aldeia existe o consenso pela diminuição no número de mesas e cadeiras a que cada barraca terá direito e até mesmo do número de tendas que hoje existem no local. Contudo, a quantidade a ser permitida será definida em outra reunião que está prevista para depois de amanhã. Com relação ao número de licenças, a redução será radical, uma vez que a ideia é ter, no mínimo, 40% a menos de pessoas trabalhando na Praia do Forte no verão 2020.

Segundo o secretário de Desenvolvimento da Cidade, Felipe Araújo, a necessidade de organizar melhor a ocupação do espaço ocorre em função da diminuição da largura da faixa de areia, por causa das recentes ressacas, e da própria determinação do MPF, que já anunciou menor tolerância aos abusos cometidos. 

– Já há algum grande tempo, o entendimento do Ministério Público é de que a praia tem que ser menos ocupada e também há esse entendimento por parte do poder concedente, que é a prefeitura, de que a praia tem que ter um uso menos ostensivo. Há uma preocupação muito grande com a questão social, com as pessoas que dependem da praia para sobreviver, mas infelizmente a gente vai ter que tomar algumas medidas drásticas de redução de pessoas que estão na praia – antecipa.

O descarte adequado do lixo, sobretudo das cascas de coco, é outro assunto tratado com prioridade. Os distribuidores serão chamados para conversar sobre a destinação correta dos resíduos e, caso não se adequem, poderão ter a licença de fornecimento suspensa. O custo operacional para a retirada e destinação final do produto no aterro sanitário é considerado alto pela prefeitura.

Com relação ao micro lixo, o procurador Leandro Mitidieri Figueiredo novamente cobrou o comprometimento de todos os trabalhadores da praia. 
– Cada mesa e cada comerciante tem que ter uma lixeira, sob pena de incluir na fiscalização, o que não ocorre hoje, se o comerciante está limpando sua área de atuação. A gente precisa traçar as estratégias para melhorar essa questão para o verão – comentou.

A reunião do MPF também serviu para alinhavar a parceria que haverá entre a Coordenadoria de Posturas e o Sindicato dos Ambulantes para a fiscalização das condições dos carrinhos, em especial, daqueles que usam botijões de gás e produtos inflamáveis para o preparo dos alimentos. A explosão e princípio de incêndio em um deles no último domingo não passou batido.

O presidente da associação, Luciano Dias, confirmou que a entidade vai auxiliar o poder público e criticou duramente a antiga gestão da Postura, com relação à fiscalização. 

– O que aconteceu é que a gestão anterior da Postura liberou carrinhos que não estavam regulamentados e a maioria deles é de milho, que estão trabalhando com o botijão P2, que é proibido há mais de 15 anos. No nossos projeto, ele foi extinto. Só podem trabalhar com botijão P13, que é um botijão com válvula de segurança, que é usado para uso doméstico – alegou.

Procurada, a antiga gestão, do coordenador Alexandre Lopes, disse que “o oportunismo do sindicato para com a próxima chefia, não apaga o mérito da gestão anterior, onde não ocorreu nenhum incidente com o GLP (gás de cozinha)”. O texto diz ainda que os antigos gestores torcem “para que o sindicato colabore não só com recolhimento de taxas, mas também com conscientização e ajuda na fiscalização dos ambulantes irregulares”. 

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.