Assine Já
domingo, 17 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
30ºmax
21ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
tubarões

Possível presença de tubarões assustam a região

Em duas semanas, Búzios, Cabo Frio e Arraial do Cabo registram histórias

20 setembro 2017 - 10h36Por Redação I Foto: Reprodução
Possível presença de tubarões assustam a região

Em uma região cercada pelo mar, os relatos de aparições de tubarões não seriam novidade se eles estivessem de passagem em alto mar. Mas na beira, próximo a banhistas, surfistas e praticantes de esportes aquáticos, não é um fato tão comum assim. Na manhã desta terça (19), a advogada Zininha Abreu praticava Canoa Havaiana quando, próximo à Boca da Barra, avistou o que seria um tubarão. 

– Foi um susto. Mas é a casa deles, a gente tem que respeitar e ir embora – disse Zininha, que volta à aula de canoa hoje mas garante que não entra no mar. 
No fim de semana, uma mulher na Praia de João Fernandinho avistou outro, bem próximo à costa. Há duas semanas, surfistas de Arraial do Cabo  foram orientados a deixar o mar por conta da presença de um suposto tubarão.  

Fato é que, independente da confirmação de todos os casos, as supostas aparições chamam a atenção. O professor Francisco Gerson Araújo, responsável pelo Laboratório de Peixes da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), diz que isso não é comum.

– É alguma alteração ambiental. Quando ele chega perto da costa, não há porque ficar tão próximo à areia. Há uma destruição do habitat natural dele e eles migram. Ao longo da história, a natureza evolui equilibradamente, o homem vem, altera e dá nisso: desequilíbrio – disse o professor.

Acostumado com o habitat natural do rei dos mares, o experiente surfista Maurício Raul já se deparou com diversos tubarões. Para ele, os tubarões poderiam estar em busca de comida.

– Não acredito em coincidências, acho que está aumentando a incidência, sim. O peixe no mar está cada vez mais escasso, a quantidade de traineiras cada vez aumenta mais, a tecnologia para pesca também. Se não tem peixe no mar mais fundo, ele vem pra beira, vem pro raso. Com fome ele não fica – concluiu.