Assine Já
domingo, 24 de janeiro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 21896 Óbitos: 720
Confirmados Óbitos
Araruama 5363 160
Armação dos Búzios 2875 30
Arraial do Cabo 651 33
Cabo Frio 5750 231
Iguaba Grande 1988 50
São Pedro da Aldeia 3048 106
Saquarema 2221 110
Últimas notícias sobre a COVID-19
destino

Possível destino de alunos do Ensino Médio municipal necessita de manutenção

Colégio Miguel Couto tem turmas com mais alunos do que o ideal

24 março 2017 - 07h14Por Texto e foto: Rodrigo Branco
Possível destino de alunos do Ensino Médio municipal necessita de manutenção

 O impasse envolvendo a transferên­cia do Ensino Médio da rede munici­pal de Cabo Frio para o Estado ainda renderá alguns capítulos, o próximo deles marcado para hoje, às 14h, no auditório da Prefeitura. Caso ela seja inevitável, os alunos que migrarem para as unidades estaduais encontrarão uma realidade que se não chega a ser caótica, como muitas vezes é divulga­da, está comprometida pela falta de investimentos e, sobretudo, de manu­tenção por parte do Governo Estadual.

A reportagem esteve ontem no maior colégio estadual da região, o Miguel Couto, que fica a cerca de 500 metros do Rui Barbosa, símbolo maior da resistência pela manutenção do an­tigo 2º grau no município. De localiza­ção privilegiada, a unidade conta com uma grande estrutura composta por 25 salas, incluindo laboratórios, audi­tório e até um clube de Ciências, mas nitidamente mostra sinais de que sofre com a ação do tempo e dos vândalos e com a falta de ações do poder público. O mato está alto em alguns pontos e a quadra poliesportiva carece de reparos no piso e nas tabelas. Nos corredores, alguns vidros estão quebrados e em um dos banheiros, falta a cuba da pia. Em algumas salas de aula, janelas foram depredadas. Apesar dos problemas, a reportagem viu auxiliares de serviços gerais atuando e ambiente limpo.

Sem a autorização da Secretaria Estadual de Educação, a diretoria não pode falar oficialmente, mas segundo a Folha apurou, estudam atualmente na unidade 1.420 alunos, a maior parte deles (800) no turno da manhã. Com isso, algumas turmas estão inchadas, com aproximadamente 40 alunos por sala, enquanto admite-se que o ideal seriam, no máximo, 35. A situação é mais amena nos demais horários, mas o problema tende a se agravar com a chegada de novos estudantes e de oriundos de escolas que poderão acabar com o Ensino Médio. Apesar disso, uma funcionária que pediu para não ser identificada afirma que o colé­gio suportará a demanda.

– A estrutura não é a ideal, mas também não está sucateada. Precisa de manutenção. Se vierem (os novos alu­nos), claro que vai ter mais gente co­mendo, demanda mais estrutura, mas a gente espera que o Estado também aumente os repasses – diz.

Enquanto a situação do município não se define nem a verba chega, a nova diretoria que assumiu há cerca de um mês tenta superar transtornos e se mobiliza para realizar eventos cultu­rais e esportivos. Algumas salas estão sendo organizadas para virarem novos laboratórios e oficinas. Enfim, uma verdadeira retomada para recuperar o tempo perdido, depois que a unidade perdeu dez turmas e chegou a ficar meses parada e ocupada por alunos durante a greve do magistério no ano passado. Seja qual for o destino do Mi­guel, ele está inapelavelmente ligado aos adolescentes que a ele dão vida.

– Os alunos não ajudam. Deveriam ajudar para evoluir. Deveriam conser­var para a gente perder o que tem – observa Stephanie Palmer, de 17 anos, aluna do 3ª ano.

 

Merendeiras terceirizadas ameaçam fazer greve

Apenas a dedicação e o medo de ter o salário descontado fazem as merendeiras do Miguel Couto continuarem a trabalhar, mesmo prestes a ficar com três meses de salários atrasados. Mas o trabalho ‘no amor’ tem data para acabar. Caso a Masan, terceirizada responsável, não cumpra o prometido e pague até o dia 30, haverá paralisação por tempo indeterminado na cozinha do Miguel e escolas da rede estadual. 

As merendeiras já fizeram duas paralisações de advertência de 24 horas, a última delas na segunda. Um ato na Porto Rocha chegou a ser realizado para cobrar a dívida. Uma funcionária que pediu anonimato disse que só conseguiram um prazo depois de muita pressão, uma vez que mal recebiam explicações pelo atraso, atribuído à crise do Estado. A própria posição oficial da empresa reforça isso.

Em nota, a empresa disse que “com o agravamento da crise pela qual passa o poder público, onde se concentra a maior parte dos clientes da Masan, a empresa tem envidado todos os esfor- ços no sentido de cumprir com suas obrigações, contudo, depende neste momento, do recebimento dos débitos contratuais a fim de obter os recursos necessários para a regularização do pagamento de seus colaboradores”.