Assine Já
terça, 28 de setembro de 2021
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51480 Óbitos: 2097
Confirmados Óbitos
Araruama 12222 438
Armação dos Búzios 6365 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14367 844
Iguaba Grande 5407 140
São Pedro da Aldeia 6899 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Porto

Porto do Forno reclama de restrições da direção do ICMBio, que rebate as críticas

Relação sujeita a tormentas; Conversas pelo Pla­no de Manejo estão avançadas

20 agosto 2015 - 09h38

RODRIGO BRANCO

 

A chegada de um navio carre­gado de malte e cevada, amanhã, a Arraial do Cabo traz à tona uma relação complicada entre o Porto do Forno, único termi­nal portuário alfandegado da região e o escritório do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) na cidade, responsável pela reserva extrativista (Resex) cabista.

A principal reclamação diz respeito às restrições impos­tas pela autarquia com relação às normas de operação do Por­to dentro da reserva, embora a própria licença de operação nº 892/2009, vigente em conformi­dade com resolução de 1997 do do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama), imponha uma série de limitações para as atividades portuárias.

Direcionando as críticas à atuação da chefe do escritório da cidade, Viviane Lasmar, o dire­tor de Operações, Victor Lemos, disse que, embora o Porto aten­da a todos os requisitos, esbarra na ‘ação isolada’ de Lasmar.

– Embora o Porto cumpra as 27 condicionantes e as diretrizes ambientais do Ibama, a chefe da reserva, sem responsabilidade

 técnica alguma, restringe a ati­vidade do Porto, o que tem um impacto comercial ruim, assim como acontece com os pescado­res e com aqueles que trabalham com Turismo – dispara Lemos.

Outra queixa diz respeito ao pagamento da taxa cobrada para entrada de embarcações (diária de R$ 1.000), quantia que não seria revertida para a Resex e sim para a União, segundo o di­retor de Operações.

Polêmica à parte, a Capitania dos Portos precisa aprovar o fun­deio do navio que chega amanhã à costa da Região dos Lagos, em área próxima à Ilha do Papagaio, em Cabo Frio. Suas águas claras são necessárias para a filmagem do casco. O procedimento, cuja validade estava vencida, é obri­gatório e visa à possível identifi­cação de micro-organismos no­civos ao ecossistema local.

 

Plano de Manejo está a caminho

 

Se existem discordâncias en­tre os envolvidos na atividade marítima, um fator que possivel­mente ajudaria a aparar as ares­tas seria a aprovação do Plano de Manejo da Resex de Arraial do Cabo, criada em 1997, e até hoje apenas no papel, apesar das discussões ocorridas no Conselho Deliberativo do órgão. O plano traça as diretrizes de atuação das atividades econômicas na reser­va extrativista.

Alvo direto das críticas da di­retoria do Porto, Viviane Lasmar disse que as conversas pelo Pla­no de Manejo estão avançadas e devem ser concretizadas em 2016. Lasmar alega que a de­mora aconteceu pelo fato de ter feito questão de ‘envolver toda a sociedade no debate’.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta (20).