Assine Já
sábado, 15 de maio de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
16ºmin
Alerj
Alerj
TEMPO REAL Confirmados: 38271 Óbitos: 1463
Confirmados Óbitos
Araruama 9632 300
Armação dos Búzios 4705 57
Arraial do Cabo 1332 69
Cabo Frio 10222 542
Iguaba Grande 3800 93
São Pedro da Aldeia 5306 227
Saquarema 3274 175
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Porto do Forno está a um passo do desembargo

Renatinho Vianna esteve no Ibama para cobrar celeridade e saiu otimista

16 abril 2019 - 09h35
Porto do Forno está a um passo do desembargo

O prefeito de Arraial do Cabo, Renatinho Vianna (PRB), e o presidente do Porto do Forno, Zezé Simas, estiveram ontem na sede do Ibama, no Centro do Rio, para cobrar celeridade no processo de desembargo do terminal portuário e gostaram do que ouviram na reunião.

De acordo com Renatinho, todas as condições para o desembargo feitas pelo órgão ambiental federal foram cumpridas e, agora, a retomada das atividades é questão de tempo.

– Para o Ibama não falta mais nada. Foram cumpridas todas as exigências e eles estão muito satisfeitos com isso, só que tem a tramitação normal que demora mesmo. E eles querem desembargar de uma forma  concreta para não vir ninguém depois, e falar que tem  alguma pendência e tenha que embargar novamente – explicou o prefeito.

Para buscar a liberação do terminal, foi feita uma força-tarefa que envolve a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) e empresas que atuavam no local antes do embargo, para financiar parte dos projetos  e adequações ambientais exigidos pelo Ibama. Nesse meio-tempo, Renatinho buscou articulação política em Brasília, para diminuir a burocracia para a liberação do Porto. 

Na semana retrasada, ele chegou a receber na sede do Porto, em Arraial, o deputado federal Gutemberg Reis (MDB) para pedir celeridade na tramitação do processo.

O Ibama embargou  as atividades do Porto do em abril do ano passado em razão do descumprimento de condicionantes estabelecidas na Licença de Operação (LO) 892/2009. Os agentes ambientais, na época, autuaram a Companhia Municipal de Administração Portuária (Comap) em R$ 100 mil e determinaram por notificação que a empresa apresentasse o plano de controle e proteção ambiental.

A reportagem entrou em contato com o Ibama para saber quais os trâmites que ainda são necessários a cumprir para o desembargo, mas o órgão informou que a questão está a cargo do Ministério do Meio Ambiente, que não enviou resposta até o fechamento desta edição.