Assine Já
quinta, 24 de setembro de 2020
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7942 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1581 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 231 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 649 36
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
marquinho

Por 4 a 3, Marquinho vence no TRE

Colegiado suspendeu o indeferimento do candidato eleito no último dia 2

17 outubro 2016 - 19h05Por Redação I Foto: Arquivo Folha
Por 4 a 3, Marquinho vence no TRE

Depois de ganhar 44.161 vo­tos no último dia 2, Marquinho Mendes obteve, na noite de on­tem, mais uma vitória em seu caminho rumo à Prefeitura de Cabo Frio. O deputado federal venceu por 4 a 3 em julgamento no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), no Rio de Janeiro, e teve seu indeferimento suspenso, fa­zendo, assim, com que todos os votos dados em seu nome sejam válidos. Cabe recurso ao Tribu­nal Superior Eleitoral (TSE).

– Eu quero agradecer a cada um dos 44.161 votos que tive e a Deus, que nunca me desampa­rou. Quero agradecer ao doutor Carlos Magno e à sua equipe, que foram brilhantes. Tenho muita confiança que vamos ven­cer de novo em Brasília, porque temos o Direito ao nosso lado. Estou tranquilo e pronto para governar essa cidade a partir de janeiro – disse Marquinho à Fo­lha, minutos depois da decisão.

O julgamento – Foram dois recursos apreciados pelo cole­giado, composto por seis desem­bargadores. O primeiro diz res­peito à reprovação de contas da gestão de Marquinho como pre­feito de Cabo Frio do exercício de 2012 por parte da Câmara de Vereadores da cidade. Por 6 a 0, o colegiado entendeu que a Casa não tinha autonomia para julgar.

– O que aconteceu foi que a Câmara julgou o parecer técnico do Tribunal de Contas do Esta­do a respeito das contas de 2012 de Marquinho, mas nós detec­tamos fraudes em alguns docu­mentos e suspendemos o parecer técnico por conta dessa fraude. Então, a Câmara passou a que­rer botar em pauta um parecer prévio, mas nós entramos com liminar para que isso não fosse possível – explicou o advogado David Figueiredo, responsável pela sustentação de defesa de Marquinho, ontem. – Foi aí que a Câmara votou, no fim do dia, um parecer da própria Câmara, da Comissão de Orçamento, e reprovou as contas do Marqui­nho. Nós argumentamos que a Câmara não tinha autoridade para isso e o colegiado, por una­nimidade, concordou.

Já o segundo recurso dizia respeito ao tão falado ‘Proces­so 101’ – em que Marquinho foi condenado por uso indevido dos meios de comunicação e abuso de poder, em 2009.

A decisão declarou Marqui­nho inelegível por três anos, a contar das Eleições de 2008 – 5 de outubro daquele ano. Sendo assim, o político ficaria inelegí­vel até 5 de outubro de 2011.

No entanto, no meio do cami­nho, em 2010, houve uma altera­ção na lei por conta da chamada Lei da Ficha Limpa, aumentan­do o tempo de inelegibilidade para oito anos. Formou-se, en­tão, o embate: a pena de Mar­quinho deveria ser a prevista quando sua condenação foi pro­ferida (três anos) ou de acordo com a nova lei (oito anos)? Se a segunda opção fosse tomada como verdadeira, Marquinho es­taria inelegível até 5 de outubro de 2016 – a eleição foi em 2 de outubro –, ou seja, seu registro de candidatura deveria ter sido indeferido. A primeira instância, municipal, concordou com essa tese, mas ela foi derrubada no início da noite de ontem.

A defesa de Marquinho – to­cada pelo advogado Carlos Mag­no de Carvalho, que, por conta de uma virose, não esteve no tri­bunal ontem, sendo substituído por David Figueiredo e Eduardo Damian – alegou que a pena de oito anos não pode ser retroati­va, e que deveria ser mantida a punição original – já cumprida.

A relatora Jaqueline Monte­negro, no entanto, discordou, e votou a favor da manutenção do indeferimento de Marquinho. Dos seus outros cinco colegas, dois votaram com ela, e três con­tra, empatando o debate. O ‘voto de Minerva’ foi dado pelo pre­sidente do TRE, Antônio Jayme Boente, que decidiu suspender o indeferimento de Marquinho.

Perguntado se o placar aperta­do o preocupa para o novo round em Brasília, Marquinho Mendes comentou, por telefone.

– Não foi nem bola na trave. Estou seguro da vitória.

(*) Atualizado em 18/10 às 00:15.