Assine Já
segunda, 02 de agosto de 2021
Região dos Lagos
23ºmax
13ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46523 Óbitos: 1889
Confirmados Óbitos
Araruama 11454 362
Armação dos Búzios 5517 58
Arraial do Cabo 1588 87
Cabo Frio 12706 765
Iguaba Grande 4804 116
São Pedro da Aldeia 6205 275
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Pontapé inicial para novo Plano Diretor é hoje

Trabalho é considerado fundamental para desenvolvimento econômico de Cabo Frio

05 setembro 2019 - 18h42Por Rodrigo Branco
Pontapé inicial para novo Plano Diretor é hoje

O prefeito Adriano Moreno (DEM) reúne hoje no seu gabinete, pela primeira vez, a equipe envolvida na reformulação do Plano Diretor de Cabo Frio. O trabalho vai estabelecer as normas de ocupação territorial no município pelo período de dez anos e é encarado como estratégico para o tão aguardado salto econômico, independente dos royalties do petróleo. A última versão do Plano Diretor Diretor é de 2006, quando a cidade tinha população ainda distante dos atuais 219 mil habitantes e livre de problemas, como a ocupação desordenada em algumas áreas.


O secretário municipal de Desenvolvimento da Cidade, Felipe Araújo, disse que o trabalho não será feito por empresa contratada, mas que vai contar com funcionários comissionados e profissionais convocados entre engenheiros e arquitetos, que enviaram currículo para a prefeitura. Foram escolhidos profissionais de diversas áreas da cidade, inclusive o Grande Jardim Esperança e Tamoios. Ele garante, inclusive, que o trabalho vai começar pelo segundo distrito. Ele estipula a realização de três audiências públicas.


– Nossa intenção é fazer um plano de norte para sul, começar de Tamoios, as primeiras audiências sendo feitas lá, e vir descendo, perpassando a cidade e pensar em todas a áreas de expansão até chegar a última ponta que é a área do aeroporto. O processo tem que ser participativo. O Plano Diretor é da cidade. Administração pública é gente que cuida de gente. Não tem outra razão de ser. Então, se a sociedade não participar, se a Câmara não participar e o Executivo não participar, para quê o Plano Diretor? Tem que ter a participação popular, é fundamental não apenas garantir a democracia do processo, como o resultado adequado. Quem vai falar melhor sobre a cidade do que os municípes? – disse o secretário.


Felipe Araújo diz que não se preocupa com o hiato de 13 anos entre a última revisão do Plano e o atual processo, mas admite que a atualização venha acompanhada de um novos Código de Obras e Lei de Zoneamento. Segundo ele, a situação preocupa para a incrementação de um parque industrial na cidade. Contuso, até a adequação, o caminho é longo, pois ainda demandará negociação com os vereadores, que terão a missão de analisar o Plano e, eventualmente, modificá-lo, antes de aprovar.


– Em 2006, foram feitos o Plano Diretor e as leis complementares. O Plano Diretor foi aprovado e as leis, nunca. Então, a gente vive com um foguete russo com manual em inglês. As leis complementares são de a partir de 1979, com código de obras. Então, a gente tem uma situação absolutamente desconexa. É impossível fazer o Plano Diretor andar. Pegar parte desse trabalho, reler, readaptar, reorganizaras novas regras, as novas legislações federais, e criar um Plano Diretor que a gente tem anseios que seja aprovado por leis complementares, principalmente a Lei de Zoneamento, que vai definir os usos e as ocupações do município, e o Código de Obras – comenta.


Um aspecto comemorado pela equipe é o fato de o processo de revisão do Plano Diretor cabofriense ser feito paralelamente a Arraial do Cabo. O município cabista está mais avançado no processo, já que chegou a realizar duas audiências públicas, uma delas no distrito de 
Monte Alto. 


Mais do que o crescimento integrado aos vizinhos, o governo aposta na reordenação espacial da cidade para diminuir o custo do solo e repensar as atividades da cidade, principalmente no que diz respeito à geração de empregos. Dados oficiais do governo federal mostram o fechamento acentuado de vagas de trabalho em Cabo Frio neste ano.


– A cidade não gera emprego. Pouquíssimas empresas hoje geram mais de 100 empregos. Para uma cidade com mais de 200 mil habitantes isso é a morte. É um problema anunciado. Hoje tem uma empresa que gera mais de 10 mil empregos, que é a prefeitura. Se a arrecadação cair, muita gente fica desempregada, é o caos na cidade. A prefeitura tem que ter papel de coadjuvante, mera administradora. A gente tem que trazer pra cá gente que queira arregaçar as mangas e transformar essa cidade. Hoje tem outras características que podem ter um processo de industrialização, indústrias verdes. Hoje, a gente tem inúmeros cursos universitários que formam mão-de-obra que se esvai. Tudo isso pode ser reassumido em algum lugar da cidade – conclui Felipe Araújo.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 29 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições na porta de casa, de terça a sábado. Ligue já: (22) 2644-4698. *Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.