Assine Já
segunda, 27 de setembro de 2021
Região dos Lagos
27ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 51256 Óbitos: 2089
Confirmados Óbitos
Araruama 12211 437
Armação dos Búzios 6305 64
Arraial do Cabo 1689 90
Cabo Frio 14244 839
Iguaba Grande 5384 138
São Pedro da Aldeia 6892 286
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Cabo Frio

Políticos da cidade se preocupam com possível retorno de votação em cédulas

Reprovação quase unânime nas lideranças de Cabo Frio

03 dezembro 2015 - 10h01

Em se tratando de política, dificilmente se constroi um con­senso, se o assunto em questão não for do comum interesse do grupo. Mas a notícia veiculada nos últimos dias sobre a possibi­lidade de as eleições do ano que vem voltarem para o antigo for­mato das cédulas de papel, por cortes no orçamento de 2016 da Justiça Eleitoral, ganhou a re­provação quase unânime entre as lideranças de Cabo Frio.

Modelo seguido em outros ­países, o pleito em urnas ele­trônicas começou no Brasil em 1996. Suspeitas à parte, acabou se tornando referência em rapi­dez e credibilidade. Característi­cas que muitos temem que sejam perdidas em uma eventual ‘volta ao passado’, caso do deputado estadual Janio Mendes (PDT).

– É um retrocesso. As urnas eletrônicas representam o maior avanço da democracia brasilei­ra. É preciso, nesse momento, aprimorá-la com a impressão do voto. Retornar à cédula de papel é voltar a um tempo em que os coronéis controlavam os votos – comentou o vice-líder do gover­no na Assembleia Legislativa.

Do corte de mais de R$ 10 bilhões estipulado pela União para o ano que vem, cerca de R$ 1,7 bilhão atingirá o Poder Judiciário, dos quais R$ 430 milhões se referem à Justiça Eleitoral. Do mesmo partido da presidente Dilma Rousseff, o vereador Eduardo Kita diz que compreende o momento difícil, mas que não concorda com os cortes nesta área.

– A gente entende, que numa situação de crise como essa haja cortes, mas não na questão da Justiça Eleitoral, com as urnas eletrônicas – acredita.

Para seu colega de Câmara, Vinícius Corrêa (PP), o gover­no federal não tomou as medi­das necessárias de contenção de despesas e, por isso, com a possibilidade da volta do voto em papel, vê a credibilidade da próxima eleição ‘em xeque’.

 – O processo eleitoral brasi­leiro avançou muito, mas ainda precisa de acertos na minha opi­nião. A questão do voto impres­so seria muito importante para garantir a lisura do pleito, agora a volta às cédulas é um retroces­so total. Não dá para acreditar num pleito que não seja na urna eletrônica – avalia.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira (3)