Assine Já
domingo, 12 de julho de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
15ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos: 344 Confirmados: 3388 Óbitos: 196
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 272 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1037 64
Iguaba Grande 12 241 20
São Pedro da Aldeia 10 530 19
Saquarema 32 566 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
PM

Policial militar assassinado pode virar nome de praça

Área de lazer no Foguete deve ser batizada com nome do sargento Valério Albuquerque, morto em 2014

14 agosto 2015 - 09h46

RODRIGO BRANCO

 

Em meio a uma série de ho­menagens, entre as quais a entre­ga e o requerimento de moções de aplauso e de pesar, uma em especial comoveu a assistência na sessão de ontem na Câmara Municipal de Cabo Frio.

Por iniciativa de Vanderlei Bento (PSDB), foi apresentado um projeto de lei que batiza a praça do bairro Foguete, locali­zada entre as avenidas dos As­tros e dos Planetas, como Valé­rio Albuquerque de Melo Filho, sargento da PM assassinado em julho do ano passado na Via La­gos quando levava R$ 6 milhões para uma empresa de transporte de valores. O caso, ainda sem solução, teve grande repercus­são à época e causou muita co­moção na cidade.

Bastante comovida, a viúva de Valério, Fernanda Ferreira Cunha, acompanhou a sessão ao lado da mãe e da filha. Ela se dis­se lisonjeada com a homenagem e enxerga nela a possibilidade de descoberta dos autores do crime.

– A gente fica lisonjeado por­que Valério foi um morador de Cabo Frio muito conhecido e que não vai ser esquecido. Gra­ças a Deus, a gente viu uma luzi­nha no fim do túnel até para, de repente, a descoberta de quem o matou. Não sei. Até hoje a gen­te não sabe de nada. Chegar em casa e não saber quem matou o nosso marido é muito ruim – la­menta Fernanda.

A matéria seguiu para a Co­missão de Constituição e Justiça da Câmara (R.B.).

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta sexta (14)