Assine Já
sexta, 14 de maio de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Tropical
http://www.alerj.rj.gov.br/
TEMPO REAL Confirmados: 38094 Óbitos: 1459
Confirmados Óbitos
Araruama 9614 300
Armação dos Búzios 4695 57
Arraial do Cabo 1317 69
Cabo Frio 10146 538
Iguaba Grande 3800 93
São Pedro da Aldeia 5248 227
Saquarema 3274 175
Últimas notícias sobre a COVID-19
Estradinha

Polícia ocupa Estradinha em busca de assassinos de PM

Por precaução, algumas lojas permaneceram de portas fechadas

10 fevereiro 2015 - 14h31Por TEXTO E FOTO: RODRIGO BRANCO
Polícia ocupa Estradinha em busca de assassinos de PM

Cerca de 60 homens das polícias Civil e Militar estão ocupando a localidade da Estradinha, no Porto do Carro, em Cabo Frio, na tarde desta terça-feira (10). A operação visa a buscar pistas e capturar os assassinos do policial militar Leandro da Silva Carvalho, 34, que foi morto por bandidos da localidade, após um acidente de trânsito, e colocado no porta-malas do seu carro, um Hyundai i30, que foi incendiado.

Os policiais estão atrás de testemunhas e informações que ajudem a esclarecer as circunstâncias do crime. Um exame confirmou a identidade do militar, que trabalhava na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Vila Keneddy, na Zona Oeste do Rio.

No local, o clima de normalidade foi quebrado pela presença ostensiva da PM e pelo fato de algumas lojas terem sido mantidas de portas fechadas pelos comerciantes, como forma de precaução. Apressadas, as pessoas se esquivaram do assunto e não quiseram dar entrevistas.

Segundo o comandante do 25º BPM, tenente-coronel Ruy França, que falou com a reportagem da Folha no local, com exclusividade, o serviço de inteligência da polícia está empenhado em descobrir os autores do assassinato nas próximas horas. Ele disse ainda que o tratamento seria o mesmo ‘ainda que a vítima não fosse um policial’.

– Temos a informação de que ele foi realmente cercado e que houve a ordem de execução e todas aquelas barbaridades que nos deixam muito tristes e que sabemos que são práticas de outros lugares. Nesse momento de indignação da sociedade, a força do Estado tem que prevalecer. Não daremos sossego até prendê-los – afirmou.