Assine Já
sábado, 11 de julho de 2020
Região dos Lagos
25ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Suspeitos: 344 Confirmados: 3380 Óbitos: 195
Suspeitos: 344 Confirmados: 3380 Óbitos: 195
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 274 658 42
Armação dos Búzios X 266 7
Arraial do Cabo 16 84 11
Cabo Frio X 1035 63
Iguaba Grande 12 241 20
São Pedro da Aldeia 10 530 19
Saquarema 32 566 33
Últimas notícias sobre a COVID-19
operação

Polícia Civil monta operação para prender Cadu Playboy

Chefe do tráfico do Manoel Corrêa é acusado de matar segurança no Jacaré em maio 

04 novembro 2014 - 16h03Por Rosana Rodrigues|Foto: Divulgação Polícia Civil
 Polícia Civil monta operação para prender Cadu Playboy

A Polícia Civil deflagrou na manhã desta terça-feira (4) uma operação contra o tráfico de drogas nos bairros Manoel Corrêa, Jacaré e Porto do Carro. A ação, que recebeu o apoio de agentes de várias delegacias da região a fim de reforçar o efetivo, além de homens da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), do 25º BPM (Cabo Frio) e de cães farejadores, teve a coordenação da titular da 126ª DP (Cabo Frio), delegada Flávia Monteiro. O objetivo era cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão, entre eles, o de Carlos Eduardo da Rocha Freire Barbosa, o Cadu Playboy, acusado de homicídio do segurança Harold Peterson Siqueira Pinto, 31, morto no dia 5 de maio no Jacaré por causa de confronto entre traficantes de facções rivais que disputam pontos de venda de drogas no local.

 Playboy, que não foi encontrado, e agora é considerado foragido da Justiça, também é acusado de ser o chefe do tráfico na Favela Manoel Corrêa e dono de imóveis localizados num condomínio em São Pedro da Aldeia, onde na última sexta-feira (4), a PM e a Polícia Federal apreenderam três fuzis, sete pistolas, um kit para transformar as armas em submetralhadoras, munição, carregadores de AK-47, celulares, cerca de 150 quilos de cocaína e R$ 350 mil em espécie. Todo o material estava em quatro carros. Os veículos — dois Celtas, um Voyage e um Focus — estavam estacionados na garagem de duas casas de dois andares no Condomínio Cisne Branco. O bandido teria adquirido os quatro imóveis e outros 20 terrenos no condomínio, com dinheiro do tráfico e em nome de laranjas. Uma das residências estaria avaliada em R$ 500 mil.

Os outros acusados pelo assassinato de Harold são Anderson da Silva Severo, Claiton da Silva, Rodrigo de Fátima Rocha, Fabrício Monteiro Cardoso e Ralph de Assis, morto em confronto com PMs na madrugada do dia 26 de outubro na comunidade Manoel Corrêa. Durante a operação foram presos Jorge Luiz Bulian, de 44 anos, acusado de roubo qualificado, além de outras anotações criminais, como crime ao patrimônio, e Homero Viana Gonçalves, de 43, que responderá por tráfico de drogas.

- Dividimos as equipes que ocuparam os bairros Monte Alegre, Jardim Esperança, Jacaré e Manoel Correa. Conseguimos prender um homem que já tinha mandado e várias passagens pela polícia e ainda utilizamos os cães da Core para encontrar entorpecentes. Estamos enfrentando o tráfico de drogas e não vamos recuar. Esta operação é para tirar das ruas aqueles que querem se impor pela violência. Vamos continuar com as oeprações, inclusive com a PM – disse a delegada Flávia Monteiro.

Entenda o caso:

Harold Peterson Siqueira Pinto, 31, foi morto no dia 5 de maio durante um confronto entre traficantes de facções rivais no bairro Jacaré. Harold Peterson foi atingido por um tiro de pistola calibre 40. Ele havia acabado de sair da casa da mãe, de moto, por volta das 16h, quando foi buscar dinheiro para comprar pão. A bala perfurou o capacete e atravessou a mandíbula da vítima. No mesmo dia, uma mulher foi baleada na perna por homens que efetuaram disparos de dentro de um carro no bairro. Segundo testemunhas, ela estava buscando o filho na creche quando foi atingida.

De acordo com o comandante Ruy França, os disparos poderiam ter ligação com a morte de duas mulheres na madrugada do dia anterior, 4 de maio, quando os corpos das vítimas foram encontrados queimados em um beco na Rua do Pomar. Segundo a polícia, as vítimas foram encontradas seminuas e com muitas marcas de tiros nos rostos. As balas que perfuraram os corpos são de calibres diferentes, o que faz parecer que várias pessoas efetuaram os disparos.

Ainda de acordo com a polícia, as mulheres tinham envolvimento com o tráfico de drogas e teriam ido até o território de uma facção rival para colher informações. Assim que os traficantes descobriram, deram ordem para executá-las. 

Apreensão de drogas, dinheiro e armas teve início na Via Lagos

A apreensão do material encontrado no condomínio Cisne Branco, em São Pedro da Aldeia, ocorreu menos de 24 horas da prisão de Fernando de Matos Lima, de 24 anos. Morador do Complexo do Alemão, o rapaz estava levando oito pistolas, 1.600 projéteis, meio quilo de cocaína e R$ 80 mil reais em espécie para Cabo Frio.

Fernando foi preso dirigindo um Celta, no fim da noite de quinta-feira (30), na altura de Rio Bonito da Via Lagos. Ele foi autuado por tráfico de drogas, porte ilegal de armas e munição.

Os agentes organizaram uma barreira na estrada com apoio da Polícia Militar. Todo o material apreendido seria levado a traficantes que atuam em São Pedro e Cabo Frio.

Onda de violência na cidade ganha repercussão nacional

Às vésperas da alta temporada, Cabo Frio, conhecida pela natureza primorosa e praias exuberantes com areias claras, finas e águas cristalinas, terá que conviver com o estigma da violência neste verão. A cidade também ganhou repercussão nacional por meio da mídia devido à onda de violência deflagrada no último dia 26, durante as eleições, quando quatro pessoas foram mortas em confronto com a PM na comunidade de Manoel Corrêa.

Em retaliação, os bandidos que dominam o tráfico de drogas do local, ordenaram uma série de ataques a ônibus e três veículos foram incendiados, além de promoverem incêndio também aos caixas eletrônicos de um banco no bairro São Cristóvão. Cercada por favelas planas, Cabo Frio viveu dias de tensão em todos os bairros. Até mesmo no Centro, em ruas próximas ao batalhão e à delegacia, o clima de insegurança alterou o cenário da tranquilidade. A maioria das casas do município já conta com sistemas de segurança. Entre câmeras de vigilância e cercas elétricas, a tendência é utilizar todas as ferramentas disponíveis para aumentar o nível de proteção.