Assine Já
domingo, 19 de setembro de 2021
Região dos Lagos
26ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 50688 Óbitos: 2057
Confirmados Óbitos
Araruama 12158 430
Armação dos Búzios 6182 64
Arraial do Cabo 1680 90
Cabo Frio 14015 822
Iguaba Grande 5355 134
São Pedro da Aldeia 6830 284
Saquarema 4468 233
Últimas notícias sobre a COVID-19
reabertura

Plano para reabrir a UPA sofre críticas em Cabo Frio

Com município em crise financeira, servidores questionam: "e os salários?"

25 novembro 2016 - 00h34
Plano para reabrir a UPA sofre críticas em Cabo Frio

 

 A Prefeitura de Cabo Frio nem chegou a anunciar oficialmente, mas só a intenção do prefeito Alair Corrêa (PP) de reabrir a Unidade de Pronto Atendimen­to do Parque Burle deixou irri­tados representantes sindicais e de entidades de classes que estão com os salários, em média, três meses atrasados. As lideranças sindicais também condenam a operação tapa-buracos e o muti­rão de limpeza que estão sendo realizados pela cidade antes da quitação da dívida com os traba­lhadores.

Para a diretora de imprensa do Sindicato dos Profissionais da Educação, Denise Teixeira, as iniciativas do prefeito contra­riam o seu discurso. Ela acredita que a intenção seja inviabilizar a futura gestão.

– Essas medidas estão na con­tramão do que ele vem anun­ciando o tempo todo. Se ele não tem dinheiro para pagar salário, que é o básico, como abre a UPA se não tem funcionário para tra­balhar. A Saúde está em greve por falta de pagamento. Há uma total falta de gestão e parece que ele não quer acabar com a dívida da Prefeitura e sim deixar uma dívida astronômica – afirma.

No mesmo tom, o presidente do Sindicato dos Servidores de Cabo Frio, Olney Vianna, classi­ficou a possibilidade de reaber­tura da UPA como ‘absurda’.

– É um absurdo e inadmissí­vel fazer isso agora, com salário atrasado três meses. Só posso classificar esse ato com megalo­maníaco. Ele teve quatro anos e quer fazer isso em um mês. É, no mínimo, um escárnio com toda a população cabofriense e uma forma de burlar a Justiça – dis­parou, criticando ainda a quali­dade do asfalto usado no conser­to das ruas da cidade.

Representante da área, o dire­tor do Sindicato dos Servidores da Saúde, Gelcimar de Almeida, o Mazinho, criticou a atitude de reabrir a UPA no momento em que outras unidades municipais como o Hospital da Mulher e o HCE sofrem com os problemas de estrutura e de falta de pessoal.

– Tem que dar um choque de gestão primeiro. Não só na Saúde. Com a abertura, estará diminuindo uma capacidade já deficitária nas emergências. Isso porque desloca servidores que estão nas unidades que estão funcionando. O prefeito aumen­tará uma despesa com pessoal, despesa que ele não vai pagar – explica.