Assine Já
segunda, 25 de outubro de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52431 Óbitos: 2149
Confirmados Óbitos
Araruama 12371 441
Armação dos Búzios 6530 72
Arraial do Cabo 1736 92
Cabo Frio 14792 880
Iguaba Grande 5486 140
São Pedro da Aldeia 6985 289
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Plano de mobilidade é sancionado e já prevê ações em curto prazo

Nos próximos dois anos, documento foca nas ciclovias, acessibilidade e integração do transporte público

28 maio 2019 - 08h49
Plano de mobilidade é sancionado e já prevê ações em curto prazo

Na manhã de ontem, o prefeito Adriano Moreno sancionou a lei 3.034/2019, que regulamenta o Plano de Mobilidade de Cabo Frio, que havia sido aprovado por unanimidade pela Câmara Municipal. Após a publicação no Diário Oficial, o município poderá receber verbas federais para implementar as ações propostas no documento, que terá intervenções no prazo de até dois anos nas ciclovias  e em obras de sinalização e acessibilidade. 

O plano é o resultado de análises quantitativas e qualitativas, com métricas precisas de locomoção de veículos – motorizados e não motorizados – e pedestres, que definiram boa parte do planejamento que resultou em um documento baseado em oito pilares principais: acessibilidade, planejamento cicloviário, transporte público coletivo, transporte motorizado individual, mobilidade e turismo, infraestrutura e planejamento urbano, educação para o trânsito e transporte de cargas. 

Destes, de acordo com Isabela Martins, superintendente de mobilidade e engenheira técnica responsável pela elaboração do plano, três são os principais focos do documento: obras de acessibilidade e integração de ciclovias e do transporte público da cidade. Esses pilares terão ações de curto prazo a serem realizadas, no período máximo de dois anos. 

– Temos ações de curtíssimo prazo a serem feitas, como por exemplo, a acessibilidade de pedestres em calçadas, implementando também a sinalização vertical e horizontal, de regulamentação e sinalização para turistas. Depois também temos os transportes ativos, com o foco nas bicicletas em Cabo Frio, onde já temos uma utilização muito grande. Faremos a integração das ciclovias e ciclofaixas, pois hoje temos 32 km no primeiro e segundo distrito, mas são mal sinalizadas e separadas. E por fim a integração dos transportes coletivos com esses dois meios de locomoção, principalmente com as ciclovias. 

O processo de elaboração do plano foi longo, feito entre 2017 e 2019, e contou com a participação popular através de reuniões com setores da sociedade civil e com moradores de diversos bairros da cidade. Segundo Isabela, tal contribuição foi fundamental, sendo o documento um reflexo do que foi debatido com a sociedade.   


– Conseguimos compilar as principais demandas da população e, no final, voltamos a debater as diretrizes do plano e ações que tínhamos proposto a partir dessas informações. Essa participação deles foi muito importante, pois, com o documento pronto, as necessidades deles estão agora representadas no plano, sendo um reflexo do que eles esperam para o município – disse ela. 

Os recursos serão angariados por meio de emendas parlamentares e do Ministério do Desenvolvimento Regional. Além disso, a própria secretaria de Mobilidade Urbana também poderá usar recursos próprios para financiar ações pontuais do plano. 

Everaldo Loback, secretário de Mobilidade Urbana, afirma que a maior dificuldade será o momento financeiro do país.       

– Hoje a cidade tem necessidade de tudo. Cabo Frio não tem um sistema semafórico à altura, por exemplo. A gente tem que pensar no futuro, e esse futuro tem que começar agora – declarou.