Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Geral

Plano de Manejo da Reserva Extrativista de Arraial está prestes a sair do papel

Documento que rege atividades na unidade de conservação será votado este ano

29 agosto 2015 - 16h12

Nicia Carvalho

Enfim, pode estar perto a definição de um Plano de Manejo para a Reserva Extrativista de Arraial do Cabo (Resex) e a inclusão no documento para limite máximo de 60 passageiros por embarcação para passeios de barco. Desde o surgimento da unidade de conservação, há 18 anos, várias discussões gravitam em torno da elaboração das normas que regerão o uso sustentável do espaço. A expectativa é de que o documento seja finalmente votado em setembro.

A estimativa foi dada durante reunião do Conselho Deliberativo da Reserva, na noite da última quinta-feira, no Tupi Esporte Clube. A data de votação ainda será definida.

– O encontro foi muito proveitoso. A tendência é de que o limite seja aceito pela maioria dos representantes do Conselho. Alguns membros ainda têm resistência, mas estamos bastante otimistas para um entendimento – contou Wellington Lacerda, membro da Associação de Barqueiros do Píer 2.

Além das questões ambientais, dentro do cenário turístico a limitação de passageiros é embate antigo e um dos principais pontos de interesse das associações de passeio de barco. Para conquistar o voto dos indecisos do conselho, a campanha ‘Dividir para Multiplicar’ destaca os benefícios da limitação como distribuição de renda, aumenta a segurança de turistas e moradores, além de minimizar os efeitos no ecossistema. O plano também trata das diretrizes para operação dentro da reserva, como a pesca esportiva, profissional, turismo náutico, mergulho e brinquedos aquáticos.

A Folha dos Lagos tentou, mais uma vez, contato com escritório regional do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), responsável pela Resex Cabista, mas não obteve sucesso.