Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
pivô

Pivô de polêmica com Proedi diz que prestará contas depois do Carnaval

Taz Mureb afirma que produziu o trabalho e cumpriu contrapartidas do edital

22 fevereiro 2017 - 19h57
Pivô de polêmica com Proedi diz que prestará contas depois do Carnaval

Protagonista de grande polêmica na edição de 2014 do Proedi, quando chegou a acampar em frente à Prefeitura para cobrar o pagamento da premiação, a cantora e produtora cultural Taz Mureb admitiu que não prestou contas dos R$ 20 mil recebidos para a produção do CD ‘Rap de Água Salgada’, lançado no começo do ano passado. No entanto, a artista afirma que não apenas produziu o trabalho, como cumpriu as contrapartidas exigidas no edital, como apresentações em comunidades e distribuição gratuitas do CD. Ela falou que prestará contas logo após o Carnaval.

– Eu só não quis apresentar no governo anterior porque tinha certeza que eles iam arrumar mil problemas já que o tratamento comigo é diferente. Esse governo é mais amigável. Após o Carnaval vou apresentar minha prestação. O que eles fizeram comigo é inadmissível. Até o último segundo do governo Alair tive medo de retaliação – justifica Taz, que chegou a ser presa por causa do protesto.

Outros contemplados lamentam a situação e preocupam-se com o futuro do edital.

– Acho que, se tratando de dinheiro público, é preciso ser mais rigoroso mesmo. Já é difícil trabalhar na Cultura. Às vezes esses incentivos são a única saída – disse a jornalista e produtora cultural Maria Werneck, que recebeu R$ 10 mil para criar um site com o acervo digital da obra do pai, o historiador Márcio Werneck.

O autor do ‘Almanaque da Imprensa Cabofriense’, Carlos Henrique Ferreira, concorda.

– Fui um dos primeiros a prestar contas. Acho lamentável isso. Pode até atrapalhar a realização de outro Proedi. Trabalho com contabilidade e sei como isso é sério, me preocupei com prazos e em guardar as notas fiscais – diz ele, que também recebeu R$ 10 mil.