Assine Já
terça, 27 de outubro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 9419 Óbitos: 486
Confirmados Óbitos
Araruama 1914 111
Armação dos Búzios 582 10
Arraial do Cabo 298 15
Cabo Frio 3084 168
Iguaba Grande 826 38
São Pedro da Aldeia 1456 71
Saquarema 1259 73
Últimas notícias sobre a COVID-19
Petrobras

Petrobras afirma que nível de produção será normalizado

Estatal informou que sindicato de petroleiros aprovou proposta e retornarão ao trabalho

24 novembro 2015 - 09h28

A Petrobras divulgou na tarde de ontem uma nota informando que a produção de petróleo e gás natural da companhia já está sen­do normalizada e que a meta de produção para este ano será man­tida. Essa manutenção da meta de produção aumenta a expectativa de que os municípios da Região dos Lagos não devem sofrer per­das ain da maiores nos repasses dos royalties. A estatal disse que a maioria das entidades sindicais aprovou o encerramento da greve dos petroleiros.

De acordo com o comunicado, no período da greve, deixaram de ser produzidos 2,29 milhões de barris de petróleo e 48,4 mi­lhões de metros cúbicos de gás natural. Apesar “do impacto nos volumes”, a Petrobras confirma a manutenção da sua meta de pro­dução de 2,125 milhões de barris de petróleo por dia no Brasil para este ano”.

A empresa sustenta ainda que a greve, que envolveu as duas federações dos petroleiros – FUP (Federação Única dos Petroleiros) e FNP (Federação Nacional dos Petroleiros) – não afetou o fornecimento de derivados e que o abastecimen­to “não sofreu qualquer inter­rupção”.

O Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindi­petro-NF) aprovou na última sexta-feira indicativos do Con­selho Deliberativo da FUP e, por 556 votos dos 827 traba­lhadores que participaram das assembleias realizadas em Ma­caé e em Campos, decidiram suspender a greve. Houve 255 votos contra e 16 abstenções.

A decisão foi foi aceita por mais 11 dos 13 sindicatos liga­dos à FUP. O Sindicato do Es­pírito Santo aceitou o acordo coletivo, mas decidiu manter a greve.

Segundo a FUP, na proposta aprovada, a Petrobras concor­da em discutir com os traba­lhadores a Pauta pelo Brasil, renovando o acordo coletivo e preservando os direitos da ca­tegoria. A estatal concordou, ainda, em discutir os dias de greve, o que deverá ocorrer no início de janeiro do próximo ano.