Assine Já
sábado, 04 de julho de 2020
Região dos Lagos
23ºmax
16ºmin
TEMPO REAL Suspeitos: 325 Confirmados: 2996 Óbitos: 179
Suspeitos: 325 Confirmados: 2996 Óbitos: 179
Suspeitos:
Confirmados:
Óbitos:
Suspeitos Confirmados Óbitos
Araruama 260 584 40
Armação dos Búzios X 250 6
Arraial do Cabo 11 73 11
Cabo Frio X 943 58
Iguaba Grande 13 207 20
São Pedro da Aldeia 24 455 16
Saquarema 17 484 28
Últimas notícias sobre a COVID-19
atentado

Pessoas da região que estão na França falam do medo de novos atentados

Ataque com caminhão em Nice, na última quinta (14), deixou mais de 80 mortos

18 julho 2016 - 23h30Por Filipe Rangel
Pessoas da região que estão na França falam do medo de novos atentados

“Nós estávamos em Bordeaux quando chegou a notícia do atentado em Nice”, a esteticista Carla Vasconcellos, que mudou-se de Arraial do Cabo para Paris há dois anos, começou a contar. “Entramos em um restaurante, porque íamos jantar e procurar um lugar para pernoitar. As pessoas estavam assustadas, chorando. Assim que soubemos do atentado mudamos de plano e dirigimos o mais rápido possível para atravessar a Espanha e ir para Portugal, onde estamos passando as férias”, ela relata – atingida pelos ecos do atentado terrorista que teve como epicentro Nice, sul da França, onde um caminhão matou mais de duzentas pessoas na última quinta.

Cerca de oitocentos quilômetros separam Nice de Bordeaux, sudoeste do país, mas a distância não impediu que uma onda de medo se espalhasse por todo o território francês.

– O povo europeu, de um modo geral, não está acostumado com violência, então uma violência dessa proporção causa muito impacto. No restaurante, o sentimento de comoção era muito grande. Havia medo também, porque esses atentados nunca vem isolados. Quando cruzamos o país, de carro, até a fronteira com a Espanha, vimos um número incomum de policiais nas estradas. Na fronteira, então, o número era dobrado – ela conta.

Erlaine Klesevski, que mora em Cabo Frio, também estava na França na semana passada. Ela e o marido, William Klesevski, foram à Europa acompanhar o Tour do France – famosa competição ciclística – e aproveitaram para conhecer Montpellier na quinta. Lá, receberam a notícia de que as comemorações da Bastilha haviam virado palco de um filme de terror.

– Como passamos o dia inteiro em Lês Baux de Provence e lá a subida para o castelo é muito íngrime, estávamos cansados e resolvemos ficar em casa. Aí as mensagens no Whatsapp começaram a chegar. Eram familiares e amigos que queriam notícias. Montpellier fica a trezentos quilômetros de Nice, mas ainda assim, hoje (sexta), em Avignon, a cidade dos papas, tinha um exército fortemente armado mas ruas. Eles usavam AR-15 [arma de grande porte de uso militar].Na estrada tinha um comboio do exército. Deu medo...

(*) Leia matéria na íntegra na edição impressa desta terça-feira.