Assine Já
segunda, 08 de março de 2021
Região dos Lagos
26ºmax
21ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 27215 Óbitos: 935
Confirmados Óbitos
Araruama 6957 183
Armação dos Búzios 3258 33
Arraial do Cabo 865 38
Cabo Frio 7501 359
Iguaba Grande 2573 58
São Pedro da Aldeia 3610 130
Saquarema 2451 134
Últimas notícias sobre a COVID-19
UVA

Pesquisas realizadas em Cabo Frio contribuem para banco de dados internacional

Encontro para avaliar cadeia do atum e espécies afins acontece em Madrid

22 setembro 2015 - 16h01

O professor Eduardo Pimenta, coordenador do curso de Gestão Ambiental da Universidade Veiga de Almeida (UVA), está entre os representantes do Brasil na reunião anual da Comissão Internacional para a Conservação do Atum do Atlântico (ICCAT), que acontece em Madrid, Espanha, entre os dias 22 de setembro e três de outubro. A Comissão reúne pesquisadores e entidades que atuam em diferentes países dos continentes Americano, Europeu e Africano e tem como missão ordenar a pesca dos recursos migratórios de alto mar de todo o Atlântico e águas adjacentes.

Pesquisador dos peixes de bico há mais de duas décadas, professor Pimenta responde pela coleta de amostras da espécie na costa fluminense e desenvolve pesquisas em parceria com o professor doutor Alberto Amorim, do Instituto de Pesca do Estado de São Paulo. O professor Pimenta apresenta dados das pesquisas realizadas nas reuniões do Grupo de Espécies e no Comitê Permanente de Investigação e Estatísticas (SCRS). O pesquisador explica que as reuniões possibilitam a atualização da informação biológica e das estatísticas disponíveis de todas as espécies sob mandato da ICCAT, além de rever o status de todas as ações e preparar respostas à Comissão sobre questões científicas. “Este ano, o SCRS irá, ainda, rever a implementação de ações científicas para 2015-2020 e o plano de trabalho para 2016”, destaca.

Desde 2008, o Grupo de Estudos da Pesca da Universidade Veiga de Almeida (GEPesca/UVA), baseado no campus Cabo Frio, integra a estrutura do Subcomitê Científico do Comitê Consultivo Permanente de Gestão sobre Atuns e Afins, do Ministério da Pesca e Aquicultura. Cabe ao subcomitê, aportar os dados estatísticos da pesca brasileira na ICCAT. “Com base nesses estudos são feitas propostas para a adoção de medidas de ordenamento e conservação necessárias para a manutenção dos estoques em níveis compatíveis com o rendimento máximo sustentável”, explica Pimenta.

 

Fonte: UVA