Assine Já
segunda, 21 de setembro de 2020
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7728 Óbitos: 407
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 468 10
Arraial do Cabo 215 13
Cabo Frio 2528 136
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1213 50
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
assédio

Perseguida por homem há oito anos, mulher pede socorro em rede social

Jovem de Rio das Ostras desabafa e diz que é assediada desde os 14 anos

31 agosto 2017 - 10h51Por Redação | Reprodução: Thinkstock
Perseguida por homem há oito anos, mulher pede socorro em rede social

“Há 8 anos venho recebendo ameaças de uma pessoa que mal conheço. Hoje, por não ter outra alternativa, me vi obrigada a me expor”. Com esse pedido de socorro começa o post de uma jovem  de Rio das Ostras, que viralizou nas redes sociais. Segundo ela, o pedido de socorro é por ser perseguida por um homem desde quando tinha 14 anos.  Postada na última terça-feira à noite, o desabafo dela chegava a mais de 7.767 compartilhamentos, mais de 12 mil curtidas e dezenas de comentários até o fechamento desta matéria, por volta das 20h. 

A postagem, seguida de várias cópias de mensagens que o perseguidor teria trocado com a vítima, chama a atenção pelo desespero da jovem. Ela afirmou que já procurou ajuda na delegacia da cidade, onde três ocorrências teriam sido registradas. Segundo o relato, ela teria pedido inclusive Medida Protetiva, mas teria sido informada que não tem direito porque ao caso não se aplica a Lei Maria da Penha.  

Diz o texto: “Tenho medo de sair nas ruas, tenho medo de ir a faculdade, tenho medo de ir para casa, não estou conseguindo estudar, NÃO TENHO PAZ. Recentemente minha mãe e sogra também fizeram registro na delegacia e eu fiz um novo. Pedi medida protetiva, mas na delegacia fui informada que meu caso não se enquadra na Lei Maria da Penha pq nunca tive relações com o autor. Fui ao fórum e ao ministério público e o que me foi passado é que a última ocorrência está na delegacia por motivos de diligência com prazo de 90 dias, que já excedeu há muito tempo e nada é feito... Não sei mais o que fazer, DURMO E ACORDO COM MEDO DE SER MORTA”.

“Que assustador e doentio, meu Deus! Força!”, comentou uma internauta. 

 Procurada pela reportagem, a jovem não respondeu à mensagem até o fechamento da matéria. A delegada titular de Rio das Ostras, Juliana Rattes, também foi procurada pela reportagem para explicar a ação da polícia nestes casos, mas não respondeu.